Microsoft investe em inteligência contra ameaças estrangeiras

Da Redação
14/06/2022

Tom Burt, vice-presidente corporativo de segurança e confiança do cliente da Microsoft, informou hoje ao mercado que a empresa fechou um acordo para adquirir a Miburo, uma empresa que faz análise e pesquisa de ameaças cibernéticas, especializada na detecção e resposta a operações de outros países.

Liderada pelo fundador Clint Watts, a Miburo passará a fazer parte da organização Customer Security and Trust da Microsoft: “Trabalhando em estreita colaboração com o Centro de Inteligência de Ameaças da Microsoft, nossa equipe de Análise de Contexto de Ameaças, nossos cientistas de dados e outros, os analistas do Miburo permitirão que a Microsoft expanda seus recursos de detecção e análise de ameaças para lidar com novos ataques cibernéticos e esclarecer as maneiras pelas quais os atores estrangeiros usam as operações de informação em conjunto com outros ataques cibernéticos para atingir seus objetivos”, disse Burt.

Veja isso
Microsoft adquire a empresa de segurança de IoT/OT CyberX
Netskope compra a WootCloud, reforçando presença em IoT

A Miburo se tornou uma das principais empresas especializadas na identificação de operações de informações estrangeiras. Suas equipes de pesquisa detectam e identificam campanhas de influência maligna e extremista em 16 idiomas.

“Com a aquisição da Miburo, continuaremos nossa missão de agir e fazer parcerias com outros setores público e privado para encontrar soluções de longo prazo que impeçam adversários estrangeiros de ameaçar clientes do setor público e privado e, de fato, o fundamentos da nossa democracia”, disse Burt. “A Microsoft detecta e ajuda os clientes a se defenderem contra ameaças cibernéticas de estados-nação como parte de nosso compromisso de manter os clientes seguros online. Esses esforços são sustentados pela inteligência de ameaças que coletamos, publicamos e usamos para alimentar interrupções de atividades maliciosas de estados-nação em uma variedade de vetores de ataque cibernético”.

Compartilhar: