Metaverso e espaço, alvos do cibercrime no ano que vem

Da Redação
07/12/2022

Os cibercriminosos deverão atuar em ambientes “expandidos” em 2023, indica a décima previsão anual do setor de violação de dados da Experian. Entre esses cenários está o metaverso, onde deve ser empregado até o uso de deepfakes. Além do metaverso, os hackers explorarão cada vez mais fronteiras, incluindo espaço e tecnologia inovadora, como inteligência artificial, em 2023.

Veja isso
Experian levou três meses para informar vazamento ao regulador
Biometria física é a tecnologia mais segura, segundo brasileiros

As principais previsões são:

  • Wild, Wild West of the Metaverse: Embora embarcar em uma jornada de vida virtual seja um conceito atraente para muitos, ele tem vulnerabilidades. À medida que o metaverso continua a ganhar impulso, tentativas de phishing, golpes relacionados a NFT e ataques de malware já começaram, com potencialmente mais iminentes no próximo ano. O uso de dispositivos AR e VR aumenta o impacto das violações de dados, pois esses dispositivos coletam grandes quantidades de informações pessoais e dados do usuário. Isso pode aumentar seu potencial de ser hackeado e levar a ataques mais sofisticados.
  • Houston, temos um problema: pensar na escala de danos que podem resultar de satélites espaciais sendo hackeados é desconcertante, mas também é uma realidade para a qual devemos nos preparar em 2023. A combinação de um ambiente regulatório desconexo e mais satélites em órbita do que nunca antes abre a porta para que malfeitores explorem os satélites em órbita, ou com um satélite grande o suficiente, até mesmo lancem ataques cibernéticos do espaço.
  • Imitação que não é uma forma de lisonja: embora influenciadores de todos os tipos possam perseguir a exposição, esse não é o tipo que eles desejam. O uso da tecnologia deepfake por atores mal-intencionados pode ser aproveitado para mais do que apenas vídeos engraçados e elevado para criar um novo nível de dano estratégico. Líderes globais, titãs de negócios e especialistas influentes do setor em todo o mundo precisarão ficar atentos ao uso indevido de sua imagem e semelhança, pois a tecnologia deepfake pode ser uma ferramenta cada vez mais popular na guerra e no cibercrime.

Entre as previsões da Experian está uma perspectiva de longo prazo de que a quantidade de tempo para detectar e se defender contra uma invasão de segurança provavelmente não melhorará significativamente nos próximos 10 anos. As organizações ainda lutam para evitar violações de dados com mais de 1.200 violações este ano até agora i . Infelizmente, as organizações ainda levam longos 212 dias para identificar uma invasão cibernética e outros 75 dias para contê-la, de acordo com a IBM ii . Estratégias para melhorar a detecção e contenção precisam ser reforçadas.

“Ao avaliar o cenário cibernético, identificamos uma deficiência de preparação que precisa de atenção”, disse Michael Bruemmer, vice-presidente de resolução global de violação de dados da Experian. “A realidade é que os ataques cibernéticos não podem ser evitados 100% do tempo, mas as organizações que podem descobrir e impedir ataques cibernéticos rapidamente sofrerão menos danos financeiros e de reputação. Acreditamos que é necessária uma mudança de mentalidade para focar na resiliência para complementar a busca pela prevenção absoluta”.

O relatório está em “https://www.experian.com/data-breach/2023-data-breach-industry-forecast”

Compartilhar: