Mercado de guera eletrônica alcança US$ 26,2 bilhões em 2026

Relatório publicado pela consultoria Valuates Reports mostra que o crescimento anual é atualmente de 2,6%
Da Redação
15/03/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O Reino Unido precisa aumentar sua capacidade de conduzir ataques cibernéticos contra inimigos estrangeiros, disse na sexta-feira dia 12 de março o primeiro-ministro Boris Johnson, ao anunciar uma revisão da segurança nacional. “O poder cibernético está revolucionando a maneira como vivemos nossas vidas e lutamos em nossas guerras, assim como o poder aéreo fazia 100 anos atrás”, disse Johnson no comunicado divulgado por seu gabinete. Amanhã, dia 16 de março de 2021, Johnson deve apresentar ao parlamento uma revisão de longo prazo da estratégia de segurança nacional, que pode levar a uma redução no pessoal das forças armadas.

“A análise definirá a importância da tecnologia cibernética para o nosso modo de vida – seja derrotando nossos inimigos no campo de batalha, tornando a Internet um lugar mais seguro ou desenvolvendo tecnologia de ponta para melhorar a vida das pessoas”, disse o escritório de Johnson.

Essa e outras iniciativas estão ampliando o mercado global de guerra eletrônica (EW na sigla em inglês para electronic war), cujo tamanho era de US $ 21,8 bilhões em 2019, e deverá alcançar um faturamento de US$ 26,2 bilhões em 2026, crescendo 2,6% ao ano a partir de 2021. Os principais fatores que impulsionam o crescimento são a elevação do número de conflitos e disputas entre os países, avanços tecnológicos, integração de mais eletrônica em equipamentos militares e elevação do uso de drones (UAVs) em guerra eletrônica. A revelação foi publicada na semana passada num relatório da consultoria Valuate Reports.

Segundo a empresa, está crescendo o volume da aquisição de equipamentos de guerra eletrônica para navios e aeronaves militares, especialmente em soluções como proteção eletrônica avançada e aplicativos de suporte eletrônico. Em termos de região, a expectativa é de que a América do Norte mantenha maior participação no mercado, devido ao aumento dos investimentos de várias entidades privadas e governamentais. Os Estados Unidos são considerados um dos principais fabricantes, exportadores e consumidores de sistemas de EW do mundo e são considerados como tendo os melhores recursos de EW.

Veja isso
Biden propõe alocar US$ 10 bilhões para fortalecer ciberdefesa
Game da Fortinet simula ciberdefesa

O relatório da Valuate Reports afirma que também é esperado que a região Ásia-Pacífico exiba rápido crescimento, apoiado pela necessidade de aumentar a capacidade de combate das forças de defesa em países em desenvolvimento como Índia e China: “Há uma frequência crescente de conflitos militarizados bilaterais entre países, levando à necessidade das forças de defesa melhorarem suas medidas de segurança. A introdução dos campos de batalha digitais impulsionou todos os sistemas de defesa usados ​​durante as missões de combate a integrarem a tecnologia de guerra eletrônica”.

É ainda esperado, diz o documento, que o desenvolvimento de sistemas de defesa antimísseis e de nova geração fomente o crescimento do mercado de guerra eletrônica: “O desenvolvimento de mísseis de nova geração com tecnologias de ponta é uma grande ameaça para locais e plataformas estratégicas, como bases aéreas militares e navios. Algumas dessas tecnologias mais recentes incluem mísseis balísticos e mísseis de cruzeiro de alta velocidade com capacidade nuclear. Esses avanços contribuíram para a necessidade de sistemas de guerra eletrônica para defesa aérea de alta velocidade de nova geração. Governos em todo o mundo estão se concentrando no desenvolvimento de aeronaves stealth, mas também estão investindo extensivamente em sistemas sofisticados de vigilância para combater a tecnologia stealth ao mesmo tempo”.

“Além disso”,continua, “o aumento na popularidade de pequenos sistemas eletrônicos que podem ser integrados em plataformas como navios de patrulha e veículos aéreos não tripulados (UAVs) também deve aumentar o crescimento do tamanho do mercado de guerra eletrônica. No entanto, devido à complexidade dos sistemas de guerra eletrônica, atingir os padrões de desempenho previstos para os sistemas de guerra eletrônica da próxima geração é um desafio assustador. Tais sistemas requerem arquiteturas complexas para operar em ambientes de sinal de alta magnitude. Modificar e programar esses sistemas é um dos principais desafios enfrentados pelos fabricantes de sistemas de guerra eletrônica”.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest