Malware em smartphones: crescimento de 614% este ano

Paulo Brito
31/07/2014
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Malware em smartphones: crescimento de 614% este anoDados da F-Secure, empresa de segurança e privacidade on-line da Finlândia, apontam que o crescimento do número de informações armazenadas em smartphones e tablets, além do aumento da quantidade de transações financeiras feitas nestes aparelhos, faz deles grandes alvos para hackers e pessoas mal intencionadas. Estima-se que até o final de 2014 o número de ameaças no universo mobile crescerá 614% em relação a 2013.

Outro dado levantado pelos especialistas da F-Secure é de que já existem aproximadamente 900.000 exemplos de vírus e malwares circulando entre smartphones e tablets. São 1.200 famílias de malware para mobile, sendo que 50% afetam o sistema Symbian, 45% o sistema Android e 5% outros sistemas operacionais. “Os vírus para smartphones e tablets são cada vez mais comuns. Como o Android superou a utilização do Windows, passou a ser o maior alvo dos hackers”, explica Roni Katz, especialista em segurança da F-Secure.

E como muitos usuários gostam de aproveitar a wi-fi gratuita oferecida por alguns estabelecimentos, acabam ignorando que essa conexão deixa o smartphone vulnerável. Mesmo uma rede wi-fi confiável, pode ser facilmente “hackeada” e as informações do aparelho acessadas, fotos e senhas bancárias roubadas, a câmera ligada remotamente e ligações feitas sem o conhecimento do usuário.

Neste caso, Roni explica que as mesmas dicas passadas para os usuários de cyber cafés e computadores públicos são válidas para quem utiliza tablets e smartphones em redes wi-fi gratuitas. São elas:

– Não entrar em sites com informações confidenciais, como bancos

– Não abrir anexos de e-mails suspeitos

– Verificar se o link de acesso ao site é real

– Não instalar aplicativos de lojas não oficiais

– Trocar periodicamente as senhas.

Mesmo tomando todas essas precauções, o vírus, uma vez instalado no dispositivo endpoint (seja qual for) está funcionando e alguns só transmitem os dados quando conectados à rede Wi-Fi. A F-Secure oferece soluções para proteger os aparelhos. O App Permissions, por exemplo, informa os aplicativos instalados no aparelho que comprometam a privacidade do usuário ao acessar dados confidenciais. Já o Freedome consegue proteger o usuário de uma conexão aberta à Internet, uma vez que criptografa todo o tráfego de rede do dispositivo do usuário, então mesmo que a conexão Wi-Fi seja insegura os dados estarão protegidos.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest