Ciberespionagem: EUA acusa China pela primeira vez

Mais três teles chinesas deixarão de operar nos EUA

FCC indicou a China Unicom, a Pacific Networks e a ComNet como empresas que podem ser um risco à segurança nacional
Da Redação
19/03/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A Federal Communications Commission (FCC, equivalente americana da Anatel) está tomando medidas para revogar a autoridade de mais três empresas de telecomunicações chinesas para operarem nos Estados Unidos: a China Unicom, a Pacific Networks e a ComNet (subsidiária da Pacific Networks). A notícia foi dada pela presidente em exercício da FCC, Jessica Rosenworcel, na última quarta-feira. Ela acrescentou que “as evidências compiladas em nossos acompanhamentos confirmam que essas empresas são indiretamente detidas e controladas pelo governo chinês. Como resultado, há fortes razões para acreditar que elas terão de atender às solicitações do governo chinês e para avanço dos seus objetivos e políticas”.

A presidente da FCC disse que agências do poder executivo concluíram que as medidas de mitigação possíveis não seriam capazes de resolver as significativas preocupações de segurança nacional levantadas ao permitir que essas empresas operassem nos EUA. A China Unicom por exemplo opera nos Estados Unidos há mais de duas décadas. As ações contra essas empresas são semelhantes à decisão da FCC em 2019 de negar à China Mobile que operasse um aplicativo nos EUA, e à sua decisão de 2020 de iniciar um processo para revogar a autorização prévia da China Telecom para operar nos EUA.

Veja isso
Qual a nação mais poderosa no ciberespaço? China e EUA já empatam
Ciberataques financiaram programa nuclear da Coreia do Norte

O comissário da FCC Brendan Carr disse que as três empresas foram solicitadas a responder às perguntas da FCC, defendendo suas práticas nos EUA. Ele disse que as empresas forneceram “respostas incompletas e inconsistentes” que não conseguiram resolver as preocupações e, em vez disso, levantaram novas preocupações sobre sua capacidade de seguir as regras da FCC.

Jessica Rosenworcel também instruiu o Bureau Internacional da FCC a examinar concessões anteriores de solicitações da Seção 214 (internacional) e recomendar opções para lidar com outros riscos de segurança nacional. Ela também está expandindo o Bureau Internacional da FCC para considerar quaisquer implicações de segurança nacional em licenças de novos cabos submarinos. “Nessa frente, estou satisfeita que os candidatos a construir um cabo Trans-Pacific ligando Hong Kong à Califórnia concordaram na semana passada em reconfigurar esse sistema para atender às atuais preocupações de segurança nacional”, disse ela.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)