Kit Cellebrite não desbloqueia iPhones. A Cellebrite, sim

Provavelmente a empresa não quer expor sua tecnologia nem mesmo nos kits vendidos a seus clientes para tarefas de perícia. Ela cobra US$ 4 mil pelo desbloqueio
Da Redação
13/02/2022

O kit de perícia vendido pela empresa israelense Cellebrite não pode mais desbloquear iPhones. No entanto, a pode e faz isso caso os clientes levem até ela os dispositivos. A informação foi publicada pelo portal 9TO5Mac, especializado em noticiário sobre a Apple. Uma das hipóteses para a mudança é o fato de que em Abril de 2021 o fundador e CEO da empresa de mensageria Signal, Matthew Rosenfeld, vasculhou o software da Cellebrite e revelou várias de suas fragilidades. Assim, é provável que a Cellebrite prefira manter dentro de casa seus métodos de desbloqueio de iPhones, temendo outra intervenção como a de Rosenfeld.

Os kits de agora em diante conseguem fazer a extração completa de dados de iPhones desbloqueados. Em alguns casos, os órgãos policiais tentam convencer os suspeitos a desbloquear seus telefones, ou obtêm ordens judiciais para fazer isso. As empresas privadas também podem obter a cooperação do proprietário do telefone, se for para fins legítimos – por exemplo, para garantir que os funcionários cumpram os requisitos de segurança de TI nos telefones da empresa. Sabe-se que atualmente a empresa tem mais de 2.800 clientes do governo dos EUA , incluindo muitos departamentos de polícia.

Veja isso
CEO da Signal anuncia vulnerabilidades nos equipamentos da Cellebrite
Fastly adquire Signal Sciences para proteger aplicações de clientes

Uma empresa de segurança que usa o kit Cellebrite disse ao 9TO5Mac que o software não pode desbloquear iPhones ou telefones Android posteriores à nova edição do software da Cellebrite. Organizações que desejem desbloquear um iPhone terão de enviá-lo para a empresa, pagando uma taxa de US$ 4 mil por dispositivo. A empresa chama isso de Cellebrite Advanced Services, ou CAS. Embora o site da empresa indique que o CAS é limitado a agências de aplicação da lei, o 9TO5Mac recebeu informações de que os clientes do setor privado também podem usar o serviço.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Últimas Notícias