googletag.cmd.push(function() { googletag.display('div-gpt-ad-1592598795326-0'); });
Míssil.jpg

Japão investiga roubo de projeto de mísseis hipersônicos

Especula-se que os dados roubados sejam relacionados a míssil que a Mitsubishi estava tentando construir
Da Redação
24/05/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O governo japonês está investigando violação que pode ter permitido que os invasores tenham tido acesso a um projeto secreto de mísseis após ataque cibernético à Mitsubishi Electric no início deste ano, o que coloca em sério risco a segurança do país.

A gigante da tecnologia disse em comunicado no início da semana passada que relatou o incidente ao Ministério da Defesa em fevereiro, no qual informações confidenciais, incluindo dados pessoais de 8 mil funcionários, podem ter sido roubadas, segundo a AP.

O secretário-chefe de gabinete da pasta, Yoshihide Suga, disse a repórteres que o governo está investigando “o possível impacto do vazamento de informações na segurança nacional”.

Veja isso
Grupo espiona Brasil, Argentina, Peru e Equador
China recalcula o uso de ciberespionagem

Especula-se que os dados roubados estejam relacionados a um protótipo de míssil que a Mitsubishi estava tentando construir. A empresa não venceu a licitação, mas manteve documentos confidenciais relacionados ao design como parte do processo.

Rússia, Estados Unidos e China parecem estar em uma corrida armamentista para construir esses veículos hipersônicos de deslizamento (HGVs), que dizem combinar a velocidade de um míssil balístico com as capacidades de manobra de um míssil de cruzeiro, tornando-os incrivelmente difíceis para os sistemas de defesa convencional sistemas rastrear.

Os mísseis, que aparentemente foram projetados para serem implantados nas ilhas do sul do Japão para proteger de uma possível ameaça da China, parece que hackers apoiados por Pequim provavelmente estão por trás da espionagem cibernética.

Não está claro se o incidente relatado está relacionado a um revelado pela Mitsubishi Electric em janeiro, que ocorreu em junho de 2019. Na época, os relatórios sugeriam que provavelmente hackers chineses haviam roubado 200 MB de dados da empresa. No entanto, a Mitsubishi alegou que, embora informações confidenciais pessoais e corporativas possam ter sido obtidas, “informações confidenciais sobre infraestrutura social como defesa, energia elétrica e ferrovias, informações técnicas altamente confidenciais e informações importantes sobre parceiros de negócios não foram divulgadas”.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest