Israel responde com mísseis a um ataque cibernético

Foi a terceira resposta desse tipo: ocorreu ontem, contra supostas instalações de hackers a serviço do Hamas
Da Redação
20/05/2021

As forças armadas de Israel informaram que ontem atacaram com mísseis, na Faixa de Gaza, um alvo que abrigava o centro de operações cibernéticas do Hamas. Foi o terceiro ataque desse tipo contra instalações cibernéticas na Faixa de Gaza. O anterior foi na última sexta-feira, 14 de maio, e o primeiro de todos em maio de 2019.

De acordo com um tweet publicado na conta oficial da Força Aérea de Israel no Twitter, o primeiro alvo a ser bombardeado foi “um armazenamento de equipamentos cibernéticos de inteligência militar, no norte da Faixa de Gaza, de propriedade do Hamas”, aparentemente servindo como um centro de dados improvisado. O segundo ataque com míssil atingiu “um apartamento usado secretamente por terroristas para ataques cibernéticos a alvos em Israel”.

Veja isso
O contra-ataque israelense ao Irã e o novo paradigma da guerra cibernética
Celulares do país sujeitos a simjacker

Pouco antes do bombardeio, os militares israelenses pediram aos residentes da Faixa de Gaza que desativassem as câmeras de segurança em suas casas e escritórios, uma vez que poderiam ser hackeadas por membros do Hamas para rastrear civis e os movimentos dos militares israelenses.

Após o ataque de maio do ano passado, as forças armadas de Israel anunciaram que o Hamas havia realizado um ataque cibernético contra Israel. O alvo exato dos agressores não foi informado, mas segundo um representante das forças armadas o objetivo do ataque era causar “danos à qualidade de vida dos cidadãos israelenses”; no entanto, disse o porta-voz, o ataque foi rapidamente neutralizado. As autoridades israelenses se recusaram a divulgar detalhes do assunto devido ao fato de que essa informação poderia revelar detalhes das capacidades cibernéticas de Israel ao Hamas.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Últimas Notícias