WhatsApp

Irlanda multa WhatsApp em € 225 milhões

É a maior multa de todos os tempos já aplicada pela Comissão e a segunda maior de acordo com as regras da GDPR
Da Redação
02/09/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A Comissão Irlandesa de Proteção de Dados, órgão regulador de privacidade de dados da Irlanda, anunciou hoje a aplicação de uma multa de 225 milhões de euros contra o WhatsApp, supostamente por falhas na transparência sobre o tratamento das informações de usuários. O WhatsApp Ireland falhou em fornecer as informações de proteção de dados necessárias aos usuários, afirmou a Euronews, acrescentando que a plataforma de mensagens de propriedade do Facebook também foi citada por não cumprir suas “obrigações de transparência”.

É a maior multa de todos os tempos já aplicada pela Comissão e a segunda maior de acordo com as regras da GDPR – a maior de todas foi aplicada pelo regulador de Luxemburgo contra a Amazon, no valor de 746 milhões de euros.

Veja isso
Google e Amazon multados pela França: 135 milhões de euros
Amazon leva multa de € 746 milhões por violação da GDPR

A multa inicial aplicada ao WhatsApp não era tão alta, mas foi aumentada pelo Conselho Europeu de Proteção de Dados devido a “uma série de fatores”, acrescentou a autoridade da Irlanda.

O órgão, que é o principal regulador de privacidade de dados na União Europeia, explicou que os problemas estão relacionados à conformidade do WhatsApp com as regras de dados da UE sobre transparência no ano de 2018. “Isso inclui informações fornecidas aos titulares dos dados sobre o processamento de informações entre o WhatsApp e outras empresas do Facebook”, disse o regulador irlandês em seu comunicado.

Um porta-voz do WhatsApp confirmou em um comunicado da empresa que as questões em abordadas estão relacionadas às políticas em vigor em 2018: “O WhatsApp tem o compromisso de fornecer um serviço seguro e privado. Trabalhamos para garantir que as informações que fornecemos sejam transparentes e abrangentes e continuaremos a fazê-lo”, disse o porta-voz.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest