iPhone de Jeff Bezos hackeado supostamente por sauditas

Paulo Brito
22/01/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Uma conta de WhatsApp pertencente ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed bin Salman parece ter sido usada para invadir o celular de Jeff Bezos

Especialistas do Escritório de Direitos Humanos do Alto Comissariado da ONU disseram-se seriamente preocupados com as informações sugerindo que uma conta do WhatsApp pertencente ao príncipe herdeiro do Reino da Arábia Saudita implantou em 2018 spyware no iPhone do proprietário do Washington Post e CEO da Amazon, Jeffery (Jeff) Bezos. Jamal Khashoggi, saudita assassinado em 2018 na embaixada saudita em Istambul, era justamente colunista do Washington Post.

Em declaração oficial, os especialistas Agnes Callamard (Relator Especial da ONU para execuções sumárias e assassinatos extrajudiciais) e David Kaye (Relator Especial da ONU em liberdade de expressão) disseram: “As informações que recebemos sugerem o possível envolvimento do príncipe herdeiro na vigilância de Bezos, em um esforço para influenciar, se não silenciar, as reportagens do Washington Post sobre a Arábia Saudita. As alegações reforçam outras reportagens que apontam para um padrão de alvos direcionados, vigilância de oponentes percebidos e de importância estratégica mais ampla para as autoridades sauditas, incluindo nacionais e estrangeiros. Essas alegações são relevantes também para a avaliação contínua de reclamações sobre o envolvimento do príncipe herdeiro no assassinato de 2018 do jornalista saudita e do Washington Post, Jamal Khashoggi”.

Leia o relatório de análise forense do iPhone de Jeff Bezos

Uma conta do WhatsApp pertencente ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed bin Salman parece ter sido usada para invadir o celular de Jeff Bezos, em um esforço para “influenciar, se não silenciar”, relatando o The Washington Post, dois direitos humanos das Nações Unidas sobre o reino. disseram especialistas na quarta-feira.

Bezos, o bilionário CEO da Amazon, que também é dono do The Post, recebeu um vídeo criptografado do príncipe herdeiro carregado de spyware digital que permitiu a vigilância de seu celular a partir de maio de 2018, disseram os especialistas das Nações Unidas em comunicado. A afirmação foi feita com base no relatório de perícia feito no telefone (veja cópia nesta página). Bezos, que é atualmente o homem mais rico do mundo, encontrou-se em 4 de abril de 2018 com o líder do maior país exportador de petróleo do mundo, durante um jantar na casa de um produtor de Hollywood em Los Angeles. Foi lá que eles trocaram números de telefone. “Olá, MBS”, escreveu Jeff Bezos em um texto naquela noite. “Olá, salvei o número”, respondeu depois o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman – o “MBS” – na manhã seguinte.

Quatro semanas depois, em 1º de maio, o príncipe enviou a Bezos uma mensagem do WhatsApp contendo um vídeo em árabe que promove o mercado de telecomunicações da Arábia Saudita. Dentro do arquivo de vídeo, de acordo com o relatório da ONU divulgado quarta-feira, havia um pequeno e malicioso código que permitia ao remetente extrair grandes quantidades de informações do telefone ao longo de muitos meses.

Depois da morte de Jamal Kashogi, Bezos contratou o investigador Anthony Ferrante, da FTI Consulting, para examinar seu iPhone X. Em um relatório escrito em novembro passado, Ferrante, ex-chefe de equipe da divisão cibernética do FBI, concluiu que o dispositivo de Bezos havia sido comprometido “possivelmente por meio de ferramentas adquiridas por Saud al Qahtani “, que dirigiu programas de hackers para o regime saudita e liderou uma campanha on-line maciça de tweets direcionados a Bezos, Amazon e The Post.

Nos últimos anos, pesquisadores de tecnologia e grupos de direitos humanos documentaram casos de operadores que parecem estar trabalhando para a Arábia Saudita se infiltrando nos dispositivos de dissidentes sauditas conhecidos, manipulando as mídias sociais no reino para amplificar vozes em louvor ao príncipe Mohammed e abafar os críticos.

O relatório de Ferrante diz que Qahtani comprou uma participação de 20% em uma empresa chamada Hacking Team que estava trabalhando para desenvolver uma maneira de infectar telefones enviando vídeos através do WhatsApp. O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, o príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, chamou o relatório da ONU de “absurdo”. Em uma reunião de líderes mundiais em Davos, na Suíça, o ministro disse: “A idéia de que o príncipe herdeiro invadisse o telefone de Jeff Bezos é absolutamente boba.”

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest