Interpol prende 75 suspeitos de integrarem o grupo Black Axe

Erivelto Tadeu
17/10/2022

A Interpol prendeu 75 supostos membros do grupo de hackers Black Axe West African e confiscou mais de US$ 1 milhão de várias contas bancárias como parte de uma ampla operação  envolvendo vários países destinada a interromper as fraudes cibernética que financiam as operações criminosas do grupo.

De acordo com a agência internacional de polícia, a Operação Chacal abrangeu 14 países em quatro continentes visando o Black Axe e grupos criminosos relacionados na região. Policiais invadiram 49 propriedades e apreenderam o que a Interpol chamou de “imensa quantidade de ativos” — incluindo 12 mil cartões SIM — que geraram pistas de investigação que potencialmente identificaram mais 70 suspeitos.

Os policiais também apreenderam uma grande variedade de itens de luxo e residências, além de três carros e dezenas de milhares de dólares em dinheiro.

“Fundos financeiros ilícitos são a força vital do crime organizado transnacional, e testemunhamos como grupos como Black Axe canalizaram dinheiro ganho com golpes financeiros online para outras áreas do crime, como contrabando de drogas e tráfico de pessoas”, disse Stephen Kavanagh, diretor executivo de serviços da Interpol, em um comunicado recente. “Esses grupos exigem uma resposta global.”

A agência disse que o Black Axe e os outros grupos são responsáveis ​​pela maior parte das fraudes financeiras cibernéticas em todo o mundo.

O Black Axe criou raízes na Nigéria em 1977 e, ao longo das décadas, os membros foram acusados ​​de inúmeros crimes, incluindo assassinato. O grupo também tem sido alvo de órgãos policiais dos EUA.

Em outubro de 2021, a Procuradoria Geral dos EUA em Nova Jersey acusou oito membros do grupo — que também é conhecido como Movimento Neo Black da África — por conexão com golpes na internet após uma investigação do serviço secreto e do FBI. Os membros sul-africanos do grupo foram acusados ​​de executar golpes de romance e esquemas de taxas antecipadas defraudando investidores entre 2011 e 2021.

Muitos dos esquemas envolveram histórias que ecoam os golpes de e-mail clássicos. Eles usaram mídias sociais, sites de namoro online e números de telefone VoIP para encontrar vítimas nos Estados Unidos, de acordo com o serviço secreto.

Veja isso
Interpol prende hackers que atacaram setor de petróleo e gás
Interpol prende 1.003 e recupera US$ 27 mi do cibercrime

Durante a Operação Chacal, a Interpol montou duas equipes de apoio operacional na África do Sul e na Irlanda para gerenciar várias equipes de oficiais. Além disso, os Carabinieri, polícia da Itália, prenderam três suspeitos de serem membros do Black Axe em Campobasso, disse a Interpol.

A Interpol deu uma dica para a operação no final de setembro, quando tuitou as prisões de dois homens na África do Sul por supostamente roubarem US$ 1,8 milhão por meio de golpes online. O Black Axe também tentou roubar cerca de US$ 1 milhão por meio de fraude na Irlanda em 2021 durante a pandemia de Covid-19.

A Interpol em sua operação usou o protocolo de resposta rápida à lavagem de dinheiro (ARRP), uma nova ferramenta mundial de suspensão de pagamentos que autoridades de vários países podem usar para rastrear, interceptar e congelar dinheiro roubado durante atividades ilegais. Ele está sendo usado em um programa piloto como parte da maior força-tarefa global de contra crimes financeiros da Interpol.

Entre os países participantes da Operação Chacal estavam os Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Espanha, Nigéria, Emirados Árabes Unidos e África do Sul.

Compartilhar: