ciberdefesa

Interpol prende 1.003 e recupera US$ 27 mi do cibercrime

Da Redação
28/11/2021

Uma operação das polícias de 20 países coordenada pela Interpol, chamada HAECHI-II, levou para a prisão 1003 pessoas e permitiu a descoberta de um total de quase US$ 27 milhões em fundos ilícitos, grande parte com origem em crime financeiro cibernético. Resultado de investigações que levaram quatro meses (junho a setembro de 2021), a operação reuniu unidades policiais especializadas até mesmo de Hong Kong e Macau, para combater tipos específicos de fraude online – como fraudes românticas, fraudes de investimento e lavagem de dinheiro associada a jogos de azar online ilegais.

A operação permitiu que os investigadores encerrassem 1.660 casos policiais. Além disso, 2.350 contas bancárias vinculadas a receitas ilícitas de crimes financeiros online foram bloqueadas. Mais de 50 avisos da Interpol foram publicados com base em informações relacionadas à operação. Foram identificados 10 novos modus operandi dos criminosos.

Veja isso
Interpol desarticula rede global de cibercriminosos
Interpol se une a coalizão de combate ao stalkerware e à violência doméstica

Os resultados da operação HAECHI-II mostram que grupos de crime organizado transnacional têm usado a Internet para extrair milhões de suas vítimas antes de canalizar o dinheiro ilícito para contas bancárias em todo o mundo.

Em um único caso na Colômbia, informou o órgão, uma empresa têxtil da Colômbiafoi foi lesada em mais de US$ 8 milhões por meio de um sofisticado esquema de comprometimento do e-mail da empresa. Os atacantes se fizeram passar pelo representante legal da empresa, ordenando a transferência de mais de US$ 16 milhões para duas contas em bancos chineses. Metade do dinheiro foi transferido antes que a empresa descobrisse a fraude e alertasse as autoridades judiciais colombianas, que por sua vez entraram em contato com a unidade de crimes financeiros da Interpol por meio de seu Escritório Central Nacional (NCB) em Bogotá.

Canais de cooperação policial internacional foram então ativados entre os escritórios da Interpol em Pequim, Bogotá e Hong Kong para congelar os fundos transferidos. Graças a essa nova rede, que agiliza a comunicação policial em casos de paralisação de pagamentos internacionais, mais de 94% do dinheiro foi interceptado em tempo recorde, salvando a empresa colombiana da falência.

Com informações da assessoria de imprensa

Compartilhar: