hackers miram itália e espanha no covid-19

Infraestrutura crítica italiana atingida 3 vezes em 7 dias

Os sistemas bloqueados são de uma afiliada do grupo Canarbino, de Gênova, logo depois de serem atingidas a Eni e a GSE
Da Redação
07/09/2022

Três vezes em uma semana. Durante dias, as empresas italianas de energia acabaram na mira de vários ataques cibernéticos. Depois daqueles sofridos pela Eni e GSE, desta vez foi a vez de uma subsidiária do Grupo Canarbino, empresa com sede em Sarzana (La Spezia). Para confirmar o que aconteceu – seria um ransomware – foi a empresa que, em nota, explicou como a reação foi imediata e que os sistemas informáticos afetados foram imediatamente restaurados sem perda de nenhum dado. Fundado em 2010, o Grupo está presente em toda a cadeia de abastecimento de gás e eletricidade através de várias empresas, algumas das quais atuam como atacadistas, outras como varejistas.

Veja isso
Infraestrutura crítica da Itália sob pesados ataques
Empresa italiana é acusada de espionagem global

A dinâmica e os precedentes recentes (Eni e GSE) sugerem um novo capítulo de um ransomware usado por um dos mais famosos grupos de ciberpirataria: o LockBit , o mesmo que nos últimos meses violou os sistemas de TI da Receita Federal italiana.

A nota do Grupo diz: “Uma subsidiária foi alvo de um ataque cibernético nos últimos dias. Os sistemas de proteção do Grupo permitiram enfrentar o ataque que não causou desserviços significativos para os clientes, nem o roubo de seus dados sensíveis. Os sistemas informáticos foram prontamente reactivados em sequência, após cuidadosa verificação e análise, e voltaram a funcionar em pleno”.

Compartilhar:

Últimas Notícias