Incerteza elevará fusões e aquisições entre empresas do setor

Da Redação
18/03/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Alguns observadores acham que o atual clima de incertezas vai acelerar novos acordos de fusões e aquisições entre empresas de cibersegurança

As incertezas econômicas trazidas pela pandemia de corona vírus começaram a balançar as bolsas na semana passada e a última segunda-feira, dia 16, foi particularmente desastrosa: queda no mundo inteiro, derrubando o valor das empresas de tecnologia. As ações da CrowdStrike caíram mais de 16%, enquanto as da Palo Alto Networks e FireEye caíram, respectivamente, 9,5% e 18,9%. Okta, Zscaler, Tenable, Fortinet e várias outras empresas de segurança também registraram quedas nas ações de segunda-feira. Alguns observadores acham que esse clima vai acelerar novos acordos de fusões e aquisições entre empresas de segurança.

“A onda de consolidação, que já havia começado na segurança cibernética, será acelerada pelos eventos da semana passada”, disse Hank Thomas, CEO da Strategic Cyber Ventures, empresa de capital de risco com sede em Washington. O choque da semana passada pegou também as grandes empresas de TI: as ações da IBM, por exemplo, tiveram uma queda de 8% e terminaram o dia em US $ 99,08, enquanto a Microsoft viu suas ações caírem mais de 14%, enquanto a Amazon caiu mais de 5% e a Alphabet, empresa controladora do Google, caiu 11%. 

Recuperação econômica

O que provavelmente acontecerá é que surgirão empresas maiores, com plataformas e ferramentas que podem atender várias preocupações de segurança, em vez de abordar questões de nicho, diz Thomas. Art Coviello, parceiro da Rally Ventures e ex-CEO da RSA, disse na semana passada que as ações de tecnologia e cibersegurança flutuarão com o mercado. Mas ele prevê que empresas com fundamentos sólidos nas ofertas de segurança não apenas sobreviverão como prosperarão no novo ambiente.

Em um artigo para os leitores da revista Barron’s,  Dan Ives, analista da Wedbush Securities, prevê que os mercados de segurança e software em geral continuarão se consolidando, mas ele observa que a cibersegurança e a tecnologia que abordam tendências como a nuvem e o 5G permanecem bem preparadas para o crescimento.

“Passado o medo e do pânico, acreditamos que essas áreas de alta prioridade de gastos e modelos de negócios têm riscos versus recompensas atraentes no futuro, e estaríamos comprando esses nomes de tecnologia pelos valores atuais “, diz Ives.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest