Impacto dos riscos de tecnologia cresce no setor financeiro

Da Redação
12/12/2019
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Executivos do setor financeiro reconhecem aumento do impacto de riscos associados a tecnologias disruptivas e a violações de dados

Nos últimos dois anos, cresceu, na visão dos executivos do setor financeiro, o impacto dos riscos associados a tecnologias disruptivas e a violações de dados. Pior ainda, a maioria se sente incapaz de avaliar riscos associados à IA e de acompanhar a evolução de riscos interconectados. Essas são algumas conclusões do estudo 2019 Global Risk Management Study, que a Accenture acaba de publicar.  

Baseado nas entrevistas de aproximadamente 700 executivos dos setores bancário, de seguros e do mercado de capitais em todo o mundo, a pesquisa lista os principais fatores de risco e os desafios para a gestão financeira face às novas tecnologias e considerando um cenário no qual há novas e complexas regulamentações, fraudes sofisticadas e ataques cibernéticos.

Os principais destaques são:

  • 58% dos gerentes de risco ​​dizem que os riscos associados às tecnologias disruptivas têm impacto maior em seus negócios hoje do que dois anos atrás
  • 55% dos executivos relatam aumento de sua percepção de riscos associados a violações de dados
  • 89% dos entrevistados entendem que não são totalmente capazes de avaliar os riscos associados à adoção da IA, 
  • 91% dizem o mesmo sobre a automação de processos robóticos (RPA)
  • 95% dizem o mesmo sobre blockchain
  • 72% dos entrevistados ​​dizem que riscos complexos e interconectados estão surgindo em ritmo mais rápido do que sua própria capacidade de acompanhamento

Entre as considerações da Accenture publicadas no relatório, está a de que com os vazamentos de dados, muitos dos riscos que as empresas de serviços financeiros enfrentam hoje são multidimensionais e interdependentes, afetando várias partes dos negócios de diferentes maneiras. 

Como exemplo, a consultoria cita o fato de concorrentes não tradicionais surgirem continuamente, usando ferramentas digitais para ganhar participação de mercado de forma rápida. Além disso, afirma a consultoria, criminosos constantemente utilizam novas maneiras de lançar ataques cibernéticos. E as empresas frequentemente precisam gerenciar o potencial de exposição de vulnerabilidades inesperadas toda vez que experimentam tecnologias novas como IA, machine learning e blockchain. O estudo Breaking through Disruption da Accenture por exemplo conslui que, dos 18 setores analisados, os mercados de seguros, bancos e capitais são mais suscetíveis a interrupções no futuro.

Desafios com dados impedem a adoção de análises avançadas

De acordo com o estudo, os três principais obstáculos à implementação de advanced analytics em toda análise de risco são os silos de dados, falta de clareza quanto à regulamentação e desafios de integração com sistemas legados.

Por outro lado, o estudo aponta que os gerentes de risco sabem que precisam melhorar sua maneira de coletar e analisar dados para gerar insights úteis. Por exemplo, quase dois terços (63%) disseram que estão melhorando sua capacidade de coletar dados em toda a empresa e 66% disseram que estão aprimorando sua capacidade de analisá-los. Por fim, o estudo observa a necessidade de obter dados tradicionais mais rapidamente e utilizar novas fontes de dados, incluindo marketing e mídias sociais, para ajudar a responder a ameaças e agregar valor aos negócios.

“À medida que o cenário de riscos continua mudando e evoluindo – com uma complexidade crescente na proteção contra violações de dados e na administração de novas ameaças interconectadas – gerentes de riscos precisam se adaptar e adotar novas ferramentas e abordagens, incluindo fontes mais amplas de dados, advanced analytics e IA, mesmo diante de um cenário de crescentes pressões de custo “, disse Steve Culp, diretor executivo sênior na Accenture, que lidera a prática de finanças e riscos da empresa.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest