Ransomware-6-696x418-e1571427618123.jpg

Imigração argentina com ransomware; resgate é de US$ 76 milhões

Netwalker contaminou servidores do órgão às 7 da manhã da última quinta-feira, dificultando o atendimento ao público
Da Redação
07/09/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A Direção Nacional de Migrações, órgão do Ministério do Interior da Argentina que controla a entrada e saída de pessoas do país, sofreu na semana passada um  ataque do ransomware Netwalker que travou suas operações a partir de das 7h da quinta-feira, 3. Segundo o jornal Clarín, os operadores do ransomware estão pedindo US$ 76 milhões em bitcoins para entregar a chave de decodificação dos sistemas. 

Embora o governo tenha comunicado que as operações da Direção Nacional de Migrações estavam restabelecidas, na verdade elas foram sendo retomadas lentamente, dificultando o atendimento ao público devido às falhas no sistema. O governo garantiu que não houve roubo de dados. Num comunicado publicado em sua conta no Twitter na tarde de quinta-feira, a Direção Nacional de Migrações informou que conseguiu “conter uma tentativa de ciberataque à organização, que provocou a queda dos serviços, que estão sendo gradualmente restaurados”.

Veja isso
Telecom Argentina sofreu ataque de ransomware no sábado
Vazamento: 700GB da polícia argentina

Em queixa apresentada à Justiça por conta do ataque, o Ministério do Interior indica que foi encontrada uma publicação na dark web na qual existe uma “ameaça específica de divulgação na web de documentos ou pastas compartilhadas de usuários e funcionários da Direção Nacional de Migrações”.

O sistema atingido pelo ciberataque, segundo o jornal La Nación, foi o Sistema Integral de Captura Migratória, que atua nas viagens internacionais, o que causou atrasos na entrada e saída de migrantes da Argentina. 

A queixa apresentada à Justiça indica que por volta das 7h de quinta-feira a área de suporte da Direção Nacional de Migrações começou a receber pedidos de auxílio e informando que havia vírus no sistema. A seguir a rede foi bloqueada. O órgão admite na queixa que a vulnerabilidade afetou a confidencialidade das informações.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)