IBM adquire a israelense Polar Security por US$ 60 milhões

Empresa israelense fornece uma plataforma que ela descreve como de “gestão da postura de segurança dos dados” na nuvem
Da Redação
16/05/2023

A IBM confirmou a aquisição da Polar Security, empresa israelense fornecedora de uma plataforma que ela descreve como de “gestão da postura de segurança dos dados” — especificamente, que utiliza tecnologia sem agente para auditar e rastrear como e onde os dados na nuvem estão fluindo e sendo acessados dentro da rede de uma empresa. A gigante da tecnologia não revelou o valor da transação, mas adiantou que a Polar será integrada à sua unidade Guardium, adquirida em 2009.

A notícia da compra havia sido divulgada em primeira mão pelo TechCrunch com base em uma fonte com conhecimento do negócio que pediu anonimato. Segundo a fonte, a IBM vai pagar cerca de US$ 60 milhões pela startup e deve anunciar o negócio oficialmente ainda esta semana.

A Polar emergiu no mercado internacional há pouco mais de um ano, após receber aporte de US$ 8,5 milhões da Glilot Capital Partners, um dos principais fundos de capital de risco de Israel, da IBI Investment e de vários investidores individuais. A empresa foi fundada pelo veterano em cibersegurança Dov Yoran (presidente), Guy Shanny (CEO) e Roey Yaacovi (CTO), e não se sabe quais deles, ou quantos funcionários, serão incorporados à  Guardium com a aquisição, nem quem são os seus clientes atuais. Um estudo de caso no site da empresa detalha o trabalho para a Ocrolus.

O TechCrunch também cita rumores no mercado de que Datadog deve adquirir outra startup de segurança cibernética — também focada no gerenciamento de postura — de Israel, a Laminar, que supostamente está sendo adquirida por entre US$ 200 milhões e US$ 250 milhões. Outro potencial comprador é a Rubrik.

Veja isso
IBM e King ICT vencem contrato de segurança cibernética da Otan
IBM compra Red Hat por US$ 34 bilhões

O crescimento dos serviços em nuvem abriu a porta a uma nova complexidade no que diz respeito aos dados. Os desafios incluem não só a identificação e o rastreio dos muitos locais onde os dados são armazenados, mas também como e onde são utilizados, quem pode acessá-los, como isso pode mudar com a introdução de novos serviços e como tudo isso funciona em conformidade com uma série de regulamentos que podem variar de país para país.

A Polar está longe de ser a única startup a criar ferramentas para ajudar a resolver essa complexidade. Há outras empresas que atuam nesse segmento como a Laminar, CrowdStrike, Check Point Software e a Zscaler, entre outras.

Compartilhar:

Últimas Notícias