Huawei acusa EUA de ataques cibernéticos

Fabricante chinesa decidiu lançar novo modelo de smartphone mesmo sabendo que não poderá usar aplicativos e serviços essenciais do Google

ataques digitais

A Huawei acusou autoridades americanas de ataques cibernéticos e de tentarem coagir funcionários a fornecer informações confidenciais da empresa. A companhia não detalhou, porém, que tipos ataques cibernéticos foram desferidos nem tampouco se os mesmos foram bem-sucedidos.

A gigante chinesa da tecnologia disse que autoridades americanas estão usando “meios inescrupulosos” para interromper seus negócios, e que enfrenta dificuldade de acesso a tecnologias de empresas americanas devido a acusações de que os equipamentos e aparelhos da fabricante continham brechas propositais para facilitar a espionagem. Com base nestas alegações, em maio deste ano, a Huawei foi colocada em uma lista negra comercial pela Casa Branca.

A proibição de ter acesso a tecnologia dos EUA inclui a impossibilidade de usar o sistema operacional Android, com todos os recursos do sistema operacional, em seus novos smartphones. Os aparelhos da Huawei podem manter apenas a Google Play Store e suas proteções de segurança devido a uma licença temporária concedida pelo governo dos EUA, mas não isso se estende a aparelhos novos. Isso certamente terá impacto comercial para a empresa, especialmente no Ocidente.

Os EUA nunca apresentaram provas publicamente de que a Huawei realmente facilita a espionagem para a China. A companhia continua negando as acusações e afirmando que seus produtos são utilizados normalmente em centenas de países. A posição do governo americano, no entanto, foi suficiente para que aliados como Reino Unido e Austrália também parassem de utilizar equipamentos da empresa.

“Condenamos veementemente o esforço maligno e coordenado do governo dos EUA para desacreditar a Huawei e reduzir sua posição de liderança no setor”, disse a empresa em comunicado, nesta quinta-feira, 5.

Ela também rechaçou acusações de roubo de patentes de câmeras de smartphones feitas nos EUA, segundo o The Wall Street Journal. A notícia tem como base investigação do Departamento de Justiça em Washington. Com agências de notícias internacionais.

Compartilhe
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp