googletag.cmd.push(function() { googletag.display('div-gpt-ad-1592598795326-0'); });

HP detalha ciberataques da Coreia do Norte

Paulo Brito
30/08/2014
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

coreia-do-norteA HP acaba de publicar um novo estudo mostrando que a Coreia do Norte tem uma complexa rede de organizações responsáveis pelo lançamento de ataques cibernéticos, numa guerra não-declarada contra os EUA e sua vizinha Coreia do Sul.
O relatório teve como objetivo avaliar o grau de desenvolvimento das operações cibernéticas do país e, mesmo com a escassez de novas informações, foi capaz de criar uma imagem do que a Coreia tem à sua disposição.
Uma complexa teia de entidades controla o modo pelo qual o regime da Coréia do Norte realiza as atividades cibernéticas que lhe dão acesso ao mundo, sem deixar-se aberta a interferências vindas de fora das suas fronteiras. Uma organização central para isso é a Assessoria do Partido dos Trabalhadores,  responsável por um grupo de norte-coreanos que vivem no Japão, chamado de Chongryon, fundamental para o país obter dinheiro no exterior e para atividades de guerra cibernética. “O Chongryon está praticamente sob o controle direto da Assessoria do Partido dos Trabalhadores da Coreia, encarregado de operações secretas contra a Coreia do Sul. No Japão, o Chongryon apoia uma revolução na Coreia do Sul, ou uma unificação ‘vermelha’ feita à força”, afirma o relatório. A educação na Coréia do Norte tem foco pesado em matemática que, eventualmente, dá lugar a cursos de ciência da computação focados em programação – o que leva o relatório a admitir que é das escolas que parte a espionagem.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest