ciberdefesa

Holanda pode usar forças armadas em ransomware

Afirmação é do ministro das relações exteriores da Holanda, Hubertus Knapen, numa carta ao parlamento
Da Redação
09/10/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O ministro das relações exteriores da Holanda, Hubertus Knapen, disse numa carta ao parlamento que o país pode recorrer às forças armadas no caso de um ataque de ransomware que represente uma ameaça à segurança nacional. Os serviços de investigação, os serviços de inteligência e segurança e as forças armadas ainda não estão suficientemente equipados para tomar medidas estruturais contra os invasores que representam uma ameaça à segurança nacional devido a um ataque de ransomware, de acordo com Knapen.

Na carta ao parlamento, o ministro descreve várias medidas que podem ser tomadas em resposta a ataques de ransomware. De acordo com ele, países podem ser responsabilizados por ataques criminosos de ransomware realizados a partir de seu território. Isso também pode ser acompanhado de medidas e sanções, segundo o ministro. Outra medida diplomática que pode ser usada contra o ransomware, explica, é pressionar por canais diplomáticos para a cooperação bilateral de países em investigações judiciais contra o ransomware, observa o ministro.

Veja isso
Descobertos quatro grupos de ransomware altamente danosos
Europol anuncia desarticulação final da botnet Emotet

Além de ações diplomáticas, de acordo com Knapen, há mais medidas que podem ser tomadas, como promoção de hardware e software seguros, atividades de conscientização e fortalecimento de oportunidades de investigação. “Muitos ataques cibernéticos bem-sucedidos, incluindo ransomware, mostram que as medidas básicas de segurança cibernética não foram tomadas o suficiente”, disse o ministro.

A maioria dos ataques de ransomware é realizada por criminosos com motivos financeiros. Cabe então à polícia e ao Ministério Público agir, continua Knapen. “Se um ataque de ransomware, com ou sem finalidade financeira, ultrapassar o limiar de uma ameaça (manifesta) à segurança nacional, por exemplo devido à falha de setores vitais, o governo também tem outros recursos à sua disposição”.

Desta forma, os serviços de inteligência e segurança e as forças armadas podem ser acionados: “Além da ação dos serviços de I&V, a Holanda também pode responder com as forças armadas. Por exemplo, o Defense Cyber ​​Command pode realizar um contra-ataque no final do dia para evitar uma ação inimiga ou para proteger um interesse essencial do Estado ”, escreve o ministro.

Knapen acrescenta que qualquer resposta do governo holandês não é específica do domínio. “Atividades cibernéticas indesejadas não são necessariamente respondidas com atividades cibernéticas holandesas, mas também podem ser respondidas por canais diplomáticos ou legais. A Holanda também pode responder com recursos cibernéticos se as ameaças vierem de outro domínio”.

Apesar da possibilidade de utilizar os serviços de investigação, inteligência e segurança e as forças armadas, de acordo com Knapen, eles ainda não estão suficientemente equipados para realizar ações estruturais contra atores que representam uma ameaça à segurança nacional devido a um ataque de ransomware. Por fim, o ministro anunciou que é necessário fortalecer a abordagem do ransomware, tanto diplomaticamente como em outras áreas, sob um novo gabinete.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest