Grupo reivindica ataque a infraestrutura crítica de Israel

Grupo Moses Staff afirma que deixará Israel sem energia elétrica, atacando inclusive refinarias de petróleo
Da Redação
16/06/2022

O grupo Moses Staff (Staff of Moses), surgido na dark web em setembro de 2021 e declaradamente inimigo de Israel, anunciou ontem ter atacado várias empresas israelenses, focando principalmente a infraestrutura crítica de energia elétrica do país. O grupo, associado a hackers iranianos por alguns especialistas em segurança, publicou também um vídeo de seis minutos dramatizando os fatos supostamente ocorridos na infraestrutura crítica do país. Como prova da invasão o grupo publicou um arquivo supostamente contendo 164MB de dados das empresas atacadas.

Veja isso
Brasil: 93% recuperam dados após ataque de ransomware
Hackers anunciam ataque a cinco bancos israelenses

As empresas supostamente atacadas teriam sido as seguintes:

  • Israel Electric Corporation – maior empresa do setor elétrico israelense
  • Dorad Energy Ltd – geradora de energia
  • Reali Technologies ltd – empresa especializada em TA (tecnologia de automação) inclusive para o setor elétrico

“Isso é só o começo…A partir de agora você sofrerá danos irreparáveis… Nós vamos puni-los… O objetivo é claro, definido e preciso. Esta é apenas uma pequena parte do nosso acesso à sua rede de energia… Você vai afundar na escuridão em breve. Começamos com a refinaria de petróleo de Haifa”, publicou o grupo em um post em seu site.

No início deste ano, o grupo atacou a empresa de defesa israelense Rafael Advanced Defense Systems. Segundo informações do site Moses Staff, o grupo já atacou 257 sites e roubou 34 TB de arquivos e documentos.

Segundo a Wikipedia, a IEC é a única concessionária de energia elétrica integrada no Estado de Israel: “Sua capacidade instalada de geração representa cerca de 75% da capacidade total de produção de energia elétrica do país. Transmite e distribui substancialmente toda a eletricidade usada em Israel, incluindo a energia gerada por outros produtores. O Estado de Israel detém aproximadamente 99,85% da empresa”.

Compartilhar: