microsoft-exchange-email-server-servidor.jpg

Grupo invade e-mail da agência de energia atômica do Irã

O grupo de hacktivistas Black Reward publicou ontem uma série de documentos do programa nuclear do Irã
Da Redação
23/10/2022

Um grupo de oposição ao governo do Irã chamado Black Reward anunciou ter publicado ontem, dia 22 de Outubro, informações supostamente confidenciais sobre o programa nuclear do país, obtidas num servidor de e-mail. A quantidade total de dados publicados seria de 50 gigabytes. O grupo havia anteriormente ameaçado publicar os dados obtidos dentro de 24 horas, a menos que o governo libertasse todos os prisioneiros políticos e manifestantes detidos por caausa de protestos relacionados à morte de Mahsa Amini. Ela foi presa em meados de setembro pela polícia de moralidade do Irã e morreu sob sua custódia três dias depois. Amini, 22, foi presa por supostamente violar o rígido código de vestimenta do país para mulheres.

Veja isso
Malware que rouba informações mira contas do Facebook
Transmissão da TV oficial do Irã invadida com protesto

Hoje, a Organização de Energia Atômica do Irã admitiu que um grupo de hackers invadiu a rede de uma subsidiária e teve acesso ao seu sistema de e-mail. O comunicado descreveu o conteúdo dos e-mails como “contendo mensagens técnicas e trocas rotineiras e diárias em andamento”.

O grupo Black Reward reivindicou a responsabilidade pela violação e disse que divulgou imagens das instalações nucleares do Irã e informações da organização de energia atômica. O Black Reward também publicou o que diz serem detalhes de identidade e contracheques de engenheiros e funcionários da Companhia de Produção e Desenvolvimento de Energia Atômica do Irã, além de passaportes e vistos de especialistas iranianos e russos que trabalham na usina de Bushehr.

Os hacktivistas também mencionaram que “ao contrário dos ocidentais, não flertamos com clérigos criminosos e, se prometemos algo, cumprimos 100%”. No início da semana passada, o grupo também anunciou que hackeou os e-mails de gerentes e funcionários da Press TV, o canal internacional de notícias em inglês do governo.

Compartilhar:

Últimas Notícias