Anonymous-50.jpg

Grupo hacker vaza dados que seriam de Bolsonaro, família e ministros

Anonymous Brasil vazou dados pessoais do presidente e de seus filhos, além dos ministros Weintraub e Damares Alves
Erivelto Tadeu
02/06/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O grupo hacker Anonymous Brasil divulgou na noite desta segunda-feira, 1º, dados pessoais que supostamente seriam do presidente Jair Bolsonaro e de seus filhos Carlos, Eduardo e Flávio. Além deles, também foram vazadas informações pessoais dos ministros Abraham Weintraub, da Educação, e Damares Alves, do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. O deputado federal Douglas Garcia (PSC-RJ) também deve seus dados divulgados.

O perfil do grupo onde estavam armazenadas as informações saiu do ar cerca de uma hora após o vazamento. Entre os dados publicados estavam números de celulares, (Cadastros de Pessoa Física (CPFs) endereços, bens declarados, participação em empresas e até dívidas.

O Anonymous Brasil faz parte do grupo internacional de hackers que estava inativo há quase seis anos. No domingo, 31, o Anonymous se manifestou no Twitter em meio às turbulências nos Estados Unidos após a morte do ex-segurança negro George Floyd por um policial branco. Em vídeo publicado no Twitter, a organização ameaçava expor “muitos crimes” cometidos pela polícia em todo o mundo. 

Veja isso
Anonymous invade sistemas dos EUA e ameaça expor crimes da polícia
Anonymous em guerra contra o governo do Brasil

No post de ontem à noite, o grupo brasileiro soltou o seguinte comunicado:

“Chamado #AnonymousBrazilNeedsHelp. Estamos preparando nosso barco! Logo teremos vazamentos de dados, estamos preparando.  #Anonymous #AntiFascista #Antifa. Ajude com RT”.

No domingo, o perfil internacional do Anomymous já havia mencionado o presidente Bolsonaro com o seguinte texto:

“Algo que as pessoas devem olhar no Brasil é investigar se Bolsonaro tem algum vínculo com o traficante e estuprador de crianças John Casablancas, um associado próximo de Trump que atuou como proxy [servidor que age como um intermediário] para os negócios de Trump no Brasil sob algum cargo obscuro e indefinido”.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest