Image by PublicDomainPictures from Pixabay

Governo do Japão consegue encerrar uso de disquetes

Da Redação
03/07/2024

Dois anos depois de declarar guerra aos disquetes, o Ministro de Assuntos Digitais do Japão, Taro Kono, anunciou que a batalha acabou e o governo venceu: em 2022, o Japão ainda exigia disquetes, CDs e MiniDiscs como meios de envio para cerca de 1.900 tipos de solicitações comerciais e outros formulários. No entanto, em meados do mês passado, a Agência Digital do país conseguiu revogar todas as 1.034 regulamentações que regulamentavam o uso dos disquetes, exceto uma restrição ambiental relacionada à reciclagem de veículos.

Veja isso
Japão muda leis para contra-atacar no ciberespaço
Ataque paralisa no Japão a Toyota, a Daihatsu e a Hino

“Vencemos a guerra dos disquetes em 28 de junho!”, disse o Ministro Digital Kono em uma declaração à Reuters hoje. Nomeado em 2022, Kono fez da principal prioridade tirar o Japão da era analógica, onde máquinas de fax e carimbos de tinta “hanko” para assinaturas ainda são amplamente utilizados.

As limitações da burocracia baseada em registros em papel e tecnologia desatualizada foram sentidas de forma particularmente aguda durante a pandemia da COVID-19, quando os esforços de testes e vacinação fracassaram como resultado disso.

Em resposta, o governo criou a Agência Digital em 2021 e a encarregou da digitalização dos serviços estatais. O processo nem sempre foi tranquilo, incluindo uma implementação mais lenta do que o previsto dos cartões de identificação digital My Number devido a repetidos contratempos de dados.

A IBM lançou os primeiros disquetes disponíveis comercialmente em 1971, e a Sony introduziu a versão melhorada de 3,5 polegadas em 1983. O uso de disquetes atingiu o pico nas décadas de 1980 e 1990. A Sony, a última fabricante de disquetes, parou de fabricá-los em 2011.

Compartilhar: