google-predio.jpeg

Google pode pagar US$ 1,4 bi por rastrear usuários do iPhone no Reino Unido

Cifra será usada para compensar os 4 milhões de usuários na Inglaterra e no País de Gales que supostamente foram restreados
Da Redação
29/04/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O Google participou de audiência na Suprema Corte da Grã-Bretanha, na quarta-feira, 28, para tentar bloquear uma ação coletiva na qual é acusado de ter rastreado ilegalmente milhões de usuários do iPhone. Os juízes ouvirão por dois dias os argumentos do gigante das buscas na internet antes de decidirem se a ação contra a empresa deve prosseguir.

A associação “Google You Owe Us”, que é liderada pelo ex-chefe do grupo de direitos do consumidor Which?, Richard Lloyd, quer que a empresa pague pelo menos £ 1 bilhão — o equivalente a US$ 1,4 bilhão — para compensar os 4 milhões de usuários na Inglaterra e no País de Gales que supostamente foram rastreados.

Em outubro de 2018, o Tribunal Superior indeferiu o caso, mas o Tribunal de Recursos anulou a decisão em outubro de 2019, permitindo que a ação prosseguisse. O Google recorreu da decisão, na esperança de que o caso seja arquivado com base no fato de os reclamantes terem mostrado evidências insuficientes de que os usuários foram prejudicados.

Veja isso
Google lança banco de dados para vulnerabilidades de código aberto
Hackers usam black hat SEO para enviar ransomware e trojans via Google

A associação acusa o Google de burlar as opções de segurança do iPhone e coletar dados pessoais entre agosto de 2011 e fevereiro de 2012 usando o navegador Safari. Teriam sido coletadas informações sobre a origem social ou étnica dos usuários, saúde, opiniões políticas, preferências sexuais ou hábitos de compra, de acordo com a denúncia, que alega que as informações foram compiladas e oferecidas aos anunciantes.

“O Google abusou ilegalmente dos dados de milhões de usuários do iPhone sem consentimento e queremos responsabilizá-lo”, disse Lloyd em um comunicado antes da audiência.

O Google disse que os eventos que aconteceram há dez anos foram respondidos na época.O “Google You Owe Us” disse que a porta foi aberta para sua reclamação após o acordo confidencial de um caso semelhante em 2015, que foi movido por três indivíduos.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório