Furado de novo, Google+ morrerá em Abril

Paulo Brito
11/12/2018
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Durante seis dias, perto de 52,5 milhões de cadastros de usuários do Google+ ficaram expostos na internet. O problema foi admitido pelo Google numa nota publicada ontem pelo vice-presidente do G-Suite, David Thacker. O problema aconteceu em novembro após uma atualização de software relacionado com uma das APIs da plataforma. Com o anúncio desse problema, o Google decidiu antecipar a morte do Google+ para Abril do ano que vem.

Thacker afirma que o problema foi descoberto “como parte de nossos procedimentos de teste padrão e em andamento e o corrigimos em uma semana após sua introdução”. O VP da Google garante que ninguém comprometeu os sistemas, quer dizer, ninguém descobriu a brecha e roubou os dados. É o que ele acredita. E acrescentou “não temos evidências de que os desenvolvedores de aplicativos que inadvertidamente tiveram esse acesso por seis dias tenham conhecimento disso ou o usaram indevidamente de alguma forma”.

Esta é a segunda vez que o Google+ mostra problemas. O primeiro aconteceu entre algum momento de 2015 e março de 2018. A brecha na API expunha nomes de usuários, endereços de e-mail, datas de nascimento, gêneros, fotos de perfil, locais onde a pessoa morava, status de relacionamento e ocupação.Embora a brecha tenha sido fechada em Março (justamente quando o Facebook estava no meio do escândalo com a Cambridge Analytica), somente em outubro o Google admitiu o problema e anunciou o fechamento da plataforma, que deveria acontecer no final de Agosto de 2019.





Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest