Golpe com DNS rouba dados de voluntários na Venezuela

Paulo Brito
13/02/2019
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Os pesquisadores da Kaspersky Lab alertam que cibercriminosos estão usando uma técnica que manipula o endereço do servidor DNS para roubar dados de quem se inscreve no movimento “Voluntários para a Venezuela”. A iniciativa, que já conta com milhares de pessoas cadastradas de acordo com a imprensa local, é resultado da convocação pública que Juan Guaidó, atual presidente interino da Assembleia Nacional da Venezuela, fez em 10 de fevereiro, solicitando voluntários para contribuírem na ajuda humanitária ao país.

A campanha é legítima e funciona da seguinte maneira: os voluntários se registram em um site e depois recebem instruções sobre como ajudar. O site original pede que os voluntários forneçam seu nome completo, identificação pessoal, número de telefone celular e se possuem algum certificado médico, um carro ou um smartphone, além de solicitar também a localização de onde eles moram.

Este site apareceu online em 6 de fevereiro deste ano. Apenas alguns dias depois, em 11 de fevereiro, um dia após o anúncio público da iniciativa, outro site quase idêntico apareceu com um nome de domínio e uma estrutura muito parecidos.

Na verdade, o site falso é o reflexo do site original, voluntariosxvenezuela.com. Tanto o site original quanto o site falso usam SSL do Let’s Encrypt, mas as diferenças são as seguintes:

A descoberta do golpe aconteceu quando os pesquisadores perceberam que os dois domínios distintos e com proprietários diferentes estão direcionando o tráfego dentro da Venezuela para o mesmo endereço IP, pertencente ao proprietário do domínio falso:

Isso significa que não importa se um voluntário abre a página oficial ou a falso, pois de qualquer maneira colocará suas informações pessoais em um site fraudulento e estará correndo risco.

Caso o acesso seja realizado de fora da Venezuela, o site oficial direciona o tráfego para um endereço diferente:

Neste cenário, em que os servidores DNS são manipulados, a Kaspersky Lab recomenda enfaticamente o uso de servidores DNS públicos, como os servidores do Google (8.8.8.8 e 8.8.4.4) ou os servidores do CloudFlare e do APNIC (1.1.1.1 e 1.0.0.1). Além disso, recomenda-se utilizar conexões VPN sem um DNS de terceiros. A Kaspersky Lab bloqueia o domínio falso como phishing.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest