Gigante dos cosméticos Estée Lauder tem dados roubados

Da Redação
20/07/2023

O grupo americano Estée Lauder, um dos maiores do mundo no mercado de maquiagens e cosméticos de luxo, foi alvo de um ataque cibernético que resultou no roubo de dados dos seus sistemas internos. A empresa, dona das marcas MAC e Tom Ford, foi forçada a desligar partes de sua rede após o hack para evitar que mais informações fossem roubadas.

Como resultado, algumas operações comerciais do conglomerado foram interrompidas, o que deve continuar enquanto a empresa se recupera do ciberataque. A gigante de produtos de beleza não especificou, no entanto, quais de suas operações foram impactadas, nem tampouco informou se as suas subsidiárias, como a do Brasil, tiveram os negócios afetados.

“A empresa está implementando medidas para proteger suas operações comerciais e continuará tomando medidas adicionais conforme apropriado”, disse holding Estée Lauder Companies (ELC) em um comunicado. “Durante este incidente contínuo, a empresa está focada na remediação, incluindo esforços para restaurar sistemas e serviços afetados.” 

A ELC disse que ainda não tem um levamento do escopo total dos danos, mas disse que contratou especialistas em segurança cibernética para ajudar na investigação. A empresa disse também que notificou as autoridades competentes, incluindo as autoridades policiais e órgãos de aplicação da lei. “Durante este período, agradecemos a resiliência de nossos funcionários. Juntos, continuamos focados em nossos negócios, consumidores e outras partes interessadas”, acrescentou a ELC.

Veja isso
Ciberataques globais semanais atingem maior pico em dois anos
Dados de clientes do Deutsche Bank vazados em hack ao MOVEit

O ataque à Estée Lauder ocorre cerca de duas semanas depois que a Boots, varejista de saúde e beleza e rede de farmácias do Reino Unido, foi atingida por um ataque cibernético em 7 de junho pela gangue russa Clop. A varejista está entre centenas de empresas cujos dados de funcionários foram comprometidos, incluindo nomes, endereços, dados bancários e números de seguro social.

Os hackers teriam explorado uma backdoor no MOVEit Transfer, software de transferência segura de arquivos da Progress Software. A declaração do grupo, que foi publicada pela BBC, dizia: “Este é um anúncio para educar as empresas que usam o produto Progress MOVEit que podemos baixar muitos de seus dados como parte de uma exploração excepcional”.

Compartilhar: