Gerente do CERT.br premiada por trabalho contra abusos online

Paulo Brito
20/02/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Cristine Hoepers, gerente-geral do CERT.br, foi a escolhida para receber o prêmio Mary Litynski de 2019 da M3AAWG em São Francisco

A cientista brasileira Cristine Hoepers, gerente-geral do CERT.br (Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil) foi a escolhida para receber o prêmio Mary Litynski de 2019, como reconhecimento pelo seu trabalho. O prêmio é concedido anualmente pela organização M3AAWG e homenageia a memória de Mary Litynski, a cientista que ajudou a fazer da entidade a principal no combate de abusos on-line, como malware, ataques DDoS, ataques à segurança eleitoral e muito mais. Sediada em São Francisco, a M3AAWG tem entre seus membros empresa de relevância como Google, AT&T, Verizon e entidades como o ICANN. Entre os premiados com o Mary Lytinsky está o jornalista Brian Krebs, especializado em segurança da informação.

Cristine Hoepers trabalha no CERT.br desde 1999. Ela se graduou em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Santa Catarina (1996) e tem um título de doutorado em Computação Aplicada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (2008). Atualmente é Analista de Segurança Senior e Gerente Geral do CERT.br.

O M3AAWG entregou o prêmio a Cristine terça-feira diai 18 de Fevereiro, durante sua 48ª Assembleia Geral, em São Francisco. O encontro reúne, durante quatro dias de sessões de trabalho e painéis educacionais com representantes de mais de 200 organizações-membros de todo o mundo.

O prêmio foi concedido a Cristine como reconhecimento pelo seu trabalho no gerenciamento de incidentes, desenvolvimento de melhores práticas para a Internet e treinamento em segurança da informação – o que tem reduzido os abusos on-line no Brasil e em toda a América Latina, além de aumentar a resiliência da Internet. De 2005 a 2013, ela liderou a coordenação técnica dos esforços anti-spam no Brasil, com foco na minimização do abuso de proxies e relays abertos, assim como na redução da entrega direta via botnets. Cristine pesquisa o uso de tecnologias como os honeypots para entender melhor as ferramentas e o comportamento dos agressores.

“Em mais de 20 anos de luta global contra spams aprendemos que os diferentes setores devem reconhecer e assumir o problema, já que qualquer nova tecnologia ou serviço tem o potencial de sofrer abusos”, afirmou ela ao receber o prêmio. “Várias formas de abuso já estão começando a ser observadas em outras plataformas e serviços, e esses setores devem ser proativos – só os criminosos têm a ganhar se alguém tentar negar a existência do problema. O M3AAWG é um ator importante, não apenas graças à expertise técnica de seus membros, mas também à sua capacidade de se aproximar desses setores e envolvê-los na luta”, completou.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest