covid-19-cyber-attack.jpg

Funcionários de saúde holandeses venderam dados de pacientes covid-19

Dois homens colocaram à venda milhões de registros de pacientes com coronavírus, incluindo seus endereços, números de telefone e números de seguridade social
Da Redação
26/01/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Policiais dos Países Baixos prenderam duas pessoas que traficavam dados de pacientes com covid-19. As prisões aconteceram 24 horas após a publicação de uma notícia sobre o assunto na RTL Nieuws, segundo a qual os dados de cidadãos holandeses estavam sendo comercializados em várias plataformas de comunicação, incluindo Telegram, Snapchat e Wickr. O aviso à polícia foi feito pelo GGD, o Serviço de Saúde Municipal Holandês.

O boletim publicado pela polícia sobre o incidente conta que “na sexta-feira, 22 de janeiro, a polícia e os promotores receberam mensagens do GGD informando que os dados pessoais dos sistemas do GGD foram colocados à venda via Telegram. A Unidade de Crimes Cibernéticos da Polícia Holandesa iniciou imediatamente uma investigação. A investigação chegou a dois funcionários da central de atendimento GGD. A polícia imediatamente colocou vigilância sobre eles. Ambos os suspeitos estavam em Amsterdã na noite de sábado, onde foram presos e levados sob custódia. Eles são um residente de 21 anos de Heiloo e um residente de Alblasserdam de 23 anos. As buscas foram realizadas no local de residência de ambos os homens; computadores foram apreendidos”, disse o relatório policial.

Veja isso
223 milhões de pessoas, 40 milhões de empresas: dados estão à venda
Vendas em proteção de dados crescem até 80% em 2021

Os dois homens colocaram à venda milhões de registros de pacientes com coronavírus, incluindo seus endereços, números de telefone e números de seguridade social (BSN). Aparentemente, os dados foram roubados dos dois mais importantes sistemas do GGD – o CoronIT, que contém dados de cidadãos que foram testados para coronavírus, e um dos sistemas para rastrear contatos com pacientes, chamado HPzone Light. Os dois suspeitos tiveram acesso a esses sistemas porque trabalhavam na central de atendimento GGD.

Por vários meses, os cibercriminosos de várias contas ofereceram dados em vários grandes grupos de bate-papo em populares mensageiros instantâneos. De algumas contas, os cibercriminosos ofereceram dados para usuários individuais. Ou seja, por valores oscilando de 30 a 50 euros, o comprador poderia conhecer a moradia e o endereço de correio eletrónico, o número da segurança social, bem como o número de telefone da vítima. Por alguns milhares de euros, os vendedores ofereceram conjuntos de dados de centenas de milhares de cidadãos holandeses. O custo dos dados foi de 30 a 50 euros por pessoa.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório