Fraude contra dispositivo móvel cresce 56% diz LexisNexis

Da Redação
05/03/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Pela primeira vez o número de fraudes monitoradas pela LexisNexis Risk Solutions foi maior em dispositivos móveis do que em PCs e notebooks

Pela primeira vez o número de fraudes monitoradas pela LexisNexis Risk Solutions foi maior em dispositivos móveis do que em PCs e notebooks: os fraudadores estão migrando seus ataques para explorar cada vez mais o canal móvel, com um aumento de 56% na taxa de crescimento anual. A conclusão é do Relatório sobre crimes cibernéticos do segundo semestre de 2019, publicado ontem pela LexisNexis Risk Solutions. Nesse documento, o Brasil é o quarto país em número de ataques lançados, perdendo apenas (pela ordem) para EUA, Canadá e Reino Unido.

A empresa monitorou no segundo semestre de 2019 um total de 19 bilhões de transações por meio de sua divisão LexisNexis Digital Identity Network. O relatório traz evidências de que a fraude alcança escala global: o cibercrime se tornou um empreendimento mundial e bem organizado, alimentado por redes de fraude. Enquanto os consumidores desfrutam de acesso a bens e serviços de todo o mundo, os fraudadores podem aproveitar os dados de identidade roubados para lançar ataques transnacionais.

Principais conclusões do relatório:

Fraude em rede global – Os fraudadores estão trabalhando em redes globais hiperconectadas, visando negócios nas fronteiras e indústrias dos países: em apenas um mês, uma rede de 73.000 dispositivos de um evento fraudulento de uma organização criminosa apareceram a serviço de outra organização. Todas as redes de fraude identificadas no período envolveram organizações de mais de uma região e mais de um setor. Isso confirma a natureza global da fraude em rede e ilustra como os cibercriminosos lavam o produto de seus crimes em toda a economia digital para obter o máximo ganho financeiro.

Durante o período examinado, os volumes de bot tiveram forte crescimento nas principais regiões, já que os fraudadores usam a automação para alcançar sucesso. Os volumes de bot podem ser muito voláteis, uma vez que um ataque de bot pode representar milhões de ataques individuais. A análise do crescimento regional fornece uma visão alternativa do crescimento de ataques direcionados a setores e regiões específicos. A Rede de Identidade Digital registrou um forte crescimento em ataques de bot do Canadá, Alemanha, França, Índia e Brasil. Promovendo a noção de fraude sem fronteiras, bots do Canadá, França e Alemanha tinham como alvo o mesmo grupo de organizações, principalmente em serviços financeiros e mídia.

Embora as taxas de ataque direcionadas às transações de desktops (2,7%) e móveis (2,5%) sejam quase idênticas, a taxa de ataque móvel cresceu 56% enquanto a taxa de ataque de desktops caiu 23%, confirmando a crescente mudança em relação à fraude móvel. Dentro do espaço móvel, também existem diferenças sutis entre ataques de navegador e aplicativo. As transações de navegadores móveis são atacadas a uma taxa mais alta – 4,2% em comparação com 1,9% para aplicativos – mas as transações de aplicativos móveis obtiveram um crescimento maior na taxa de ataque, 171% em comparação com uma taxa de crescimento constante de 14% para navegadores.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest