matrix-2365562_1280.jpg

Fórum Econômico Mundial aponta iminência de pandemia cibernética

A previsão está sendo feita por especialistas do Centro de Segurança Cibernética do Fórum Econômico Mundial
Da Redação
03/02/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Em 2025, as tecnologias de próxima geração como conectividade onipresente, inteligência artificial, computação quântica ou novas abordagens de gerenciamento de identidade e acesso podem liquidar as defesas e dar início a uma pandemia cibernética global. A previsão está sendo feita por especialistas do Centro de Segurança Cibernética do Fórum Econômico Mundial e foi publicada na semana passada com o título “Averting a cyber pandemic: how businesses are building a global response to cybersecurity risks”.

Veja isso
Cibersegurança atual está condenada diz Fórum Mundial
Setor bancário foi principal alvo de ciberataques em 2019

O relatório afirma que “as tecnologias da próxima geração representam novos riscos para o mundo, e seu impacto não é totalmente compreensível neste estágio. Há uma necessidade urgente de ação coletiva, intervenção política e maior responsabilização por organizações governamentais e empresas privadas. Sem esta intervenção, será difícil manter a confiança nas novas tecnologias, das quais depende o futuro desenvolvimento do mundo”.

Em conjunto com a Oxford Martin School da Universidade de Oxford, o WEF anunciou uma iniciativa chamada “Future Series: Cybercrime 2025”, cujo principal objetivo é identificar as abordagens necessárias para gerir os riscos cibernéticos associados às principais tendências tecnológicas. Mais de 150 especialistas em segurança cibernética de empresas de segurança da informação, institutos de pesquisa e outras organizações, incluindo Palo Alto Networks, Mastercard, KPMG, Europol, ENISA e NIST, estão envolvidos no programa.

“A segurança não é vista como parte integrante das tecnologias inovadoras e, por isso, não há investimentos suficientes em apoios (conhecimento, orientação, investigação) e incentivos (forças de mercado, regulação) para o desenvolvimento seguro de novas tecnologias. Os recursos e tecnologias existentes não serão adequados para esse propósito, e portanto prevenir ameaças e responder a incidentes exigirão novas abordagens ”, acreditam os especialistas do WEF.

Entre as abordagens recomendadas, o WEF lista a redução das lacunas de capacidade global em segurança cibernética, a criação de uma força de trabalho e o afastamento de abordagens fragmentadas de segurança cibernética que levam a interdependências e confusão de políticas e tecnologias.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest