Cyber Security

Forescout vai proteger IoT nas redes do Departamento de Defesa dos EUA

A Agência de Sistemas de Informação da Defesa (DISA) escolheu a tecnologia da empresa como a base da iniciativa “Comply to Connect”
Da Redação
01/09/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A Forescout foi autorizada a anunciar hoje que ganhou um contrato do Departamento de Defesa dos EUA (DoD) para construir as bases da iniciativa “Comply to Connect” (C2C). Essa é uma estrutura de segurança destinada a proporcionar o mais elevado nível de garantia para autenticação, autorização, avaliação de conformidade e remediação automatizada de dispositivos conectados à rede de informações do DoD (DoDIN). O programa C2C, segundo a empresa, ocupará vários anos até ser concluído e deverá impactar positivamente todos os ramos das Forças Armadas dos EUA e outras agências e centros do DoD.

Veja isso
Orçamento dos EUA para ciberdefesa alcança US$ 9,8 bilhões
Defesa dos EUA publica padroes de cyber para fornecedores

“As Forças Armadas dos Estados Unidos têm um ambiente único composto por sistemas tradicionais de tecnologia da informação (TI), bem como TI incorporada em sistemas de missão”, comentou Michael DeCesare, diretor executivo da Forescout. “O DoD precisa de uma plataforma que lhe permita identificar e mitigar continuamente o risco cibernético dentro de sistemas tão diferentes, para garantir a prontidão para a missão em toda a força”. 

Segundo o comunicado da Forescout, ela vem apoiando o programa C2C desde as fases piloto e de adoção inicial em várias áreas do DoD, incluindo DISA, o Corpo de Fuzileiros Navais, a Rede de Próxima Geração da Marinha (NGEN) e o Comando Médico do Exército (MEDCOM). 

O C2C é uma das maiores iniciativas governamentais de segurança cibernética do mundo, desenvolvido para garantir que dispositivos confiáveis ​​e autorizados sejam rigorosamente inspecionados quanto a códigos maliciosos, software proibido, não conformidade e outros riscos. A principal diferença entre o C2C e os programas de segurança anteriores é que o C2C é aplicável à tecnologia operacional não tradicional (OT), dispositivos inteligentes comerciais e sistemas de controle incorporados, dos quais o DoD e outras agências dependem cada vez mais para cumprir suas missões, mas que não podem usar software de segurança publicado posteriormente. Esta ampla gama de sistemas de missão crítica definidos pelo US Cyber ​​Command e protegidos pela Forescout inclui dispositivos de Internet das Coisas (IoT) e Platform Information Technology (PIT), tais como sistemas de controle industrial (ICS), sistemas de armas, veículos autônomos e equipamentos médicos .

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório