pixabay submarine ship 3475101 1280

Falsa localização de navios amplia risco de conflitos

Da Redação
02/08/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Um navio de guerra cruzando um deserto no estado americano do Utah. Outro cruzando a superfície da Antártica. Falsas localizações como essas estão aparecendo com frequência no AIS (Automatic Identification System), um sistema de rastreamento automatizado que indica embarcações nas proximidades. É um sistema de transponder de que opera na banda marítima móvel de VHF. A descoberta e o alerta estão num artigo publicado na quinta-feira dia 29 de julho por Bjorn Bergman, da ONG SkyTruth, especializada em processamento e interpretação de imagens de satélite.

Segundo o pesquisador, a análise dos dados de rastreamento das transmissões do AIS revela que foram simuladas muitas localizações de navios, incluindo navios de guerra: “Essas informações falsas podem comprometer a segurança da embarcação, diminuir a confiança em um sistema crucial de prevenção de colisões e, potencialmente, iniciar um conflito internacional”, analisa o pesquisador.

Veja isso
Como hackear um navio? É fácil
Mercado de guera eletrônica alcança US$ 26,2 bilhões em 2026

O pesquisador conta que a SkyTruth buscou descobrir se essas posições falsas resultaram de defeitos nos transmissores do AIS, uso indevido deles ou interferência intencional de terceiros: “Aprendemos a interpretar anomalias nos dados do AIS e, mesmo quando as coordenadas dos navios estavam erradas, nunca tivemos motivos para duvidar que essas embarcações estivessem na água. Na maioria dos casos, também somos capazes de identificar a verdadeira posição da embarcação”.

“Recentemente, descobri uma nova categoria de posições falsas de navios AIS. Em casos anteriores, observamos embarcações na água que transmitiam posições que correspondiam a uma área diferente da verdadeira localização da embarcação. Nestes novos exemplos, entretanto, rastreamentos de AIS estavam presentes onde as embarcações parecem não ter transmitido AIS de forma alguma. Ao contrário de alguns rastros obviamente falsos que aparecem em terra, esses rastros parecem extremamente plausíveis – à primeira vista indistinguíveis de posições AIS reais. Este novo tipo de rastreamentos AIS simulados representa uma ameaça significativa à integridade dos dados e destaca a necessidade de vigilância ao interpretar os dados AIS”.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest