Donald-Trump.jpg

Facebook retira anúncio da campanha de Trump com símbolo nazista

Rede social exclui publicidade que trazia símbolo usado pelos nazistas para marcar prisioneiros em campos de concentração
Da Redação
21/06/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O Facebook removeu publicidade da campanha de reeleição de Donald Trump porque exibia um símbolo fortemente associado à Alemanha nazista, o que provavelmente provocaria mais tensões nos Estados Unidos, cujo clima já é bastante acirrado devido aos protestos antirracistas que acontecem no país após a morte de George Floyd.

O anúncio trazia um triângulo vermelho invertido usado pelos nazistas para marcar prisioneiros políticos em campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. Ele foi publicado ao lado de uma mensagem do presidente alegando que “multidões de extrema esquerda” estão causando problemas nos EUA e que ativistas de esquerda rotulados livremente como “antifas” devem ser considerados uma organização terrorista.

“Não permitimos símbolos que representem organizações odiosas ou ideologias odiosas, a menos que sejam toleradas com contexto ou condenação”, disse Nathaniel Gleicher, chefe da política de segurança cibernética do Facebook, em um breve comunicado. “Foi o que vimos neste caso com este anúncio e, em qualquer lugar que esse símbolo seja usado, tomaríamos as mesmas ações”, completou.

Outros anúncios da mesma campanha que não apresentavam o símbolo foram deixados, apesar de suas reivindicações duvidosas.

Veja isso
Operadores do REvil ameaçam vazar dados de Trump
250 subdomínios de Trump com IPs da Rússia

Embora a campanha de Trump afirme que o símbolo foi “amplamente usado pelos antifas”, na realidade a iconografia mais comum usada pelo movimento é a de duas bandeiras, uma vermelha e uma preta, ou três setas apontando para baixo.

Com a proximidade da eleição presidencial nos EUA, marcada para 3 de novembro, o Facebook está sob pressão crescente para checar e remover anúncios políticos enganosos ou bani-los como o Twitter.

A rede social decepcionou muitos nesta semana, quando anunciou que apenas permitiria aos usuários desativar questões sociais, anúncios eleitorais ou políticos de candidatos ou comitês de ação política em seus feeds do Facebook ou Instagram.

Isso ocorre após uma atualização de janeiro, na qual a rede social disse que ajudaria os usuários a limitar o número de anúncios políticos exibidos.

Isso não é bom o suficiente para a campanha eleitoral de Biden. Ele iniciou uma petição pedindo à rede social que proibisse comportamentos ameaçadores e mentiras sobre como votar, e quer que todos os anúncios políticos sejam verificados pelos fatos durante as duas semanas que antecederem a eleição.

Por outro lado, Trump emitiu uma ordem executiva que impedia efetivamente as empresas de mídia social de verificar as declarações políticas. O Facebook tem se esforçado para não tomar partido em um debate cada vez mais conturbado e polarizado. De fato, de maneira controversa, deixou comentários incendiários de Trump, que alguns alegaram ser um incitamento à violência durante as recentes manifestações.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)