fake-1909821_640.jpg

Facebook remove conteúdo de grupo de extrema direita

Da Redação
10/05/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Rede social justifica eliminação devido ao envolvimento de grupos com “comportamento inautêntico coordenado” para disseminar informações falsas

O Facebook decidiu retirar o conteúdo de dois grupos norte-americanos de extrema direita sob alegação de que estavam disseminando teoria da conspiração para influenciar a opinião pública antes da eleição presidencial dos Estados Unidos, marcada para novembro.

A rede social justificou a eliminação devido ao envolvimento com “comportamento inautêntico coordenado”, que é o termo que a empresa usa para descrever “grupos de contas e páginas que procuram enganar as pessoas e sobre suas atividades utilizando-se de contas falsas”.

A primeira medida envolveu a remoção de cinco páginas, 20 contas do Facebook de seis grupos associados à rede QAnon, um grupo de teóricos da conspiração de extrema direita que surgiu há cerca de três anos. São apoiadores de Donald Trump que afirmam existir o que chamam de “deep state” (estado profundo). O termo “estado profundo” se refere a setores do establishment político e econômico que funcionariam como grupos organizados que exercem forte controle sobre o conjunto da sociedade. Segundo a rede QAnos esses setores se articulam para derrubar o presidente.

Veja isso
Facebook processa empresa de análise por SDK malicioso
Fake news iludem facilmente 62% dos brasileiros

O grupo já havia afirmado que Barack Obama, Hillary Clinton, George Soros e outros planejam um golpe de Estado e todos seriam membros de uma organização internacional de tráfico sexual de crianças. Mais recentemente, o grupo divulgou uma série de informações falsas sobre a origem do novo coronavírus.

O segundo grupo investigado pelo Facebook está vinculado ao site VDARE, conhecido por publicar conteúdo anti-imigração e vinculado a um site semelhante conhecido como The Unz Review. Nesse caso, a rede social removeu 19 páginas, 15 contas e um outro grupo, novamente, todos originários dos EUA e focados no mercado interno.

A notícia surge no momento que uma nova pesquisa revela que os usuários de mídias sociais do Reino Unido desejam ações mais rígidas contra a desinformação online.

A Open Knowledge Foundation descobriu que 55% dos britânicos acreditam que o governo deveria “impor ação compulsória” em sites de mídia social para impedir a disseminação de notícias falsas. Um terço (33%) disse que ações voluntárias como a do Facebook seriam suficientes.

Catherine Stihler, diretora executiva da Open Knowledge Foundation, sustenta que a melhor maneira de combater a desinformação “é tornar as informações abertas, permitindo que jornalistas, cientistas e pesquisadores forneçam fatos ao público”.

“Os gigantes da tecnologia têm a responsabilidade de aumentar a transparência e trabalhar em estreita colaboração com os ‘verificadores’ de fatos, mas a ação voluntária nunca será suficiente por si só”, acrescenta ela, em entrevista à Infosecurity.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest