Fabricantes de TV ganharão muito monitorando usuário

TVs podem se tornar gratuitas em troca da visualização de anúncios e envio de dados de sua utilização, concluíram especialistas da GlobalSign
Da Redação
02/12/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Os fabricantes de TVs “inteligentes” poderão ganhar muito mais dinheiro comercializando dados de seus usuários do que vendendo os aparelhos, concluiu um estudo da empresa de segurança Globalsign: eles vendem perfis de seus usuários. Conforme relatado pela GlobalSign, para alguns fabricantes de Smart TV, a vigilância dos usuários tornou-se não uma fonte adicional, mas a principal fonte de receita.

Segundo a empresa, a quantidade de dados de usuários coletados pelos fabricantes de TVs inteligentes é quase igual à quantidade coletada por gigantes da tecnologia como Google e Apple.

O histórico do conteúdo visto na TV não inclui informações pessoais ou informações financeiras, mas pode ser usado para criar um perfil de usuário detalhado, que é o que os fabricantes criam. O fato é que os próprios usuários, muitas vezes inconscientemente, permitem a coleta de seus dados, diz o estudo – eles simplesmente não removem os “tiques” nos itens de menu correspondentes ao configurar a TV. Muitas vezes, as permissões para coleta de dados não são visíveis a olho nu, por exemplo, elas estão “soterradas” em outros menus. Além disso, como já existe uma “marca” antes do consentimento, nem sempre é óbvio que ele pode ser removido.

A Globalsign analisou Smart TVs usando a ferramenta IoT Inspector para exibir o tráfego de dispositivos IoT e descobriu que as TVs gravam o conteúdo da tela independentemente da fonte do sinal (TV a cabo, aplicativo, DVD player ou transmissão). Esses dados são então enviados para os servidores onde o sistema de reconhecimento automático de conteúdo está instalado.

A TV cria uma “impressão” da tela uma vez por segundo: é uma “impressão digital” formada por vinte quadrados de pixels espalhados pela tela, que a TV converte em uma sequência de números. Essa string, junto com o ID do dispositivo, é transmitida ao servidor, onde é comparada com um banco de dados de conteúdo conhecido. Assim, a cada segundo é criado um registro da utilização do usuário em vários conteúdos. Os fabricantes usam esses dados para criar perfis de usuários e vendê-los a clientes. “Se continuar assim, as TVs podem se tornar geralmente gratuitas em troca da visualização de anúncios e dados pessoais sobre as atividades”, concluíram os especialistas da GlobalSign.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)