EUA vai estudar criação de força armada cibernética

Da Redação
18/06/2024

Os comitês da Câmara e do Senado dos Estados Unidos aprovaram propostas para estudar se os EUA precisam de um novo ramo militar dedicado à segurança cibernética. O Comando Cibernético dos EUA (Cybercom), liderado pelo General da Força Aérea Timothy Haugh e composto por militares de todas as armas, é atualmente o grupo encarregado de lidar com questões cibernéticas de defesa. Uma força cibernética independente poderia desenvolver uma abordagem mais coerente para defender os EUA online, dizem os defensores das propostas.

Veja isso
Mercado global de ciberdefesa deve atingir US$ 49,4 bi até 2028
EUA podem ter diplomacia cibernética no Departamento de Estado

A ideia da criação de um sexto órgão militar centrado exclusivamente em operações cibernéticas não é nova e ganhou força ao longo do ano, à medida em que as ameaças cresceram, o cenário se tornou mais volátil e os problemas passaram a atormentar as forças militares. Cada uma delas deve fornecer pessoal para o Cybercom, que então emprega essas forças em operações para os outros comandos. Mas os opositores desse modelo acreditam que os serviços estão demasiado isolados na sua abordagem.

O deputado republicano Morgan Luttrell e outros republicanos apoiadores do projeto acreditam que o momento para ele é agora, porque os riscos cibernéticos estão aumentando e a abordagem atual do Cybercom é demasiado desarticulada.

“Atualmente, cada serviço geralmente desenvolve capacidade cibernética isoladamente. As forças também deveriam ser construídas segundo um padrão único, mas essa intenção ou visão nunca se concretizou, com disparidades dramáticas entre as forças. Na verdade, elas nem sequer se alinham nos nomes das áreas de carreira do pessoal alinhado às operações cibernéticas. Embora isso pareça pouco, as consequências são significativas”, escreveu o deputado republicano Pat Fallon em um artigo recente.

Compartilhar: