electric grid

EUA proíbem equipamento importado para o grid elétrico

Da Redação
03/05/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

‘Ordem executiva’ assinada por Trump proíbe governo e empresas de instalar no setor elétrico equipamentos ‘de propriedade estrangeira’ que possam representar “um risco inaceitável para a segurança nacional”

O governo americano publicou na sexta-feira uma ‘ordem executiva’ assinada pelo presidente Donald Trump que proíbe agências federais e empresas sob jurisdição dos EUA de instalar no setor elétrico equipamentos ‘de propriedade estrangeira’ que possam representar “um risco inaceitável para a segurança nacional”. A diretiva autoriza o secretário de Energia, Dan Brouillette, a trabalhar com as agências nacionais de segurança e com o setor de energia para fiscalizar equipamentos antes de serem instalados e identificar, entre os já existentes, aqueles vulneráveis. Essa é a medida mais recente da administração para reprimir software e hardware de origem estrangeira, repetindo uma ordem semelhante, publicada no ano passado, sobre as aquisições de equipamentos de telecomunicações pelas empresas americanas.

Leia isso
EUA iniciam 48h de exercícios de defesa do setor elétrico
Malware que atacou Ucrânia revela falhas das elétricas nos EUA

A nova ordem executiva abrange equipamentos adquiridos e instalados na infraestrutura de geração e transmissão de eletricidade. “Os adversários estrangeiros estão cada vez mais criando e explorando vulnerabilidades” nesse sistema, inclusive por meio de “atividades cibernéticas maliciosas”, disse Trump na ordem. Uma das operações de hackers mais notáveis ​​para atingir o setor de energia dos EUA foi uma campanha de vários anos por hackers supostamente apoiados pelo governo russo, para reunir informações sobre o software do sistema de controle usado no setor. Os hackers não interromperam nenhum dos sistemas de controle ou afetaram o fluxo de energia, mas Trump culpou Moscou por essas atividades em 2018.

Os serviços públicos dos EUA há muito tempo têm programas de segurança para a cadeia de suprimentos lidar com ameaças de hackers. Mas a ordem executiva parece adicionar outra camada a esses programas. A diretiva permite ao secretário de Energia desenvolver uma lista de critérios que os fornecedores atenderiam para demonstrar que seus produtos são “pré-qualificados” para uso no sistema de energia dos EUA. Ele também o autoriza a identificar quais equipamentos vulneráveis ​​já estão em campo e descobrir como removê-los ou remediar a vulnerabilidade.

Em comunicado, Brouillette disse que o pedido reduz a capacidade de adversários estrangeiros atingirem a infraestrutura elétrica dos EUA. Vários grupos de hackers investigaram as empresas que fornecem equipamentos para as concessionárias em todo o mundo. Isso inclui o grupo por trás do malware Trisis, que fechou uma fábrica petroquímica saudita em 2017. “As regras atuais de compras governamentais geralmente resultam em contratos com os lances de menor custo, uma vulnerabilidade que pode ser explorada por pessoas com intenções maliciosas”, afirmou o Departamento de Energia em comunicado.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest