Ciberataque.jpg

EUA podem sofrer ataque cibernético ‘catastrófico’

Da Redação
15/03/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Comissão do Ciberespaço Solarium diz que ataque cibernético pode causar danos duradouros, maiores do que os de muitos incêndios, inundações e furacões que o país já enfrentou

Ciberataque.jpg

Os Estados Unidos estão na iminência de sofrer um “ciberataque catastrófico” que pode causar danos duradouros, maiores do que os de muitos incêndios, inundações e furacões que o país já enfrentou, de acordo com uma nova análise da Comissão do Ciberespaço Solarium

O relatório afirma que o país enfrenta várias ameaças de criminosos cibernéticos e estados-nação, tais como roubo de IP, que impede o crescimento no longo prazo; ataques críticos à infraestrutura; crimes cibernéticos e ransomware; espionagem para obtenção de vantagem geopolítica e ataques projetados para minar as instituições e a democracia.

Diante disso, a comissão, formada por um grupo bipartidário financiado pelo governo dos EUA, recomenda que o Congresso aprove uma série de projetos de lei para criar ou reorganizar gabinetes governamentais existentes para melhorar as defesas cibernéticas do país. O documento também propõe um conjunto de outras medidas que, segundo os seus autores, poderão aproximar aliados estrangeiros e parceiros do setor privado do governo dos EUA aos esforços de segurança cibernética.

“A conectividade digital que trouxe crescimento econômico, domínio tecnológico e uma melhor qualidade de vida a quase todos os americanos também criou um dilema estratégico. Quanto mais conexões digitais as pessoas fazem e dados trocam, mais oportunidades os inimigos têm para destruir vidas, interromper a infraestrutura crítica e danificar nossas instituições econômicas e democráticas”, diz o relatório.

“Os EUA agora operam em um cenário cibernético que requer um nível de segurança, resiliência e confiabilidade de dados que nem o governo nem o setor privado estão atualmente equipados para fornecer. Além disso, os déficits de agilidade, conhecimento técnico e unidade de esforço, tanto no governo dos EUA quanto entre os setores público e privado, estão aumentando”, acrescenta o documento

Para enfrentar esses desafios, a comissão defende uma abordagem de “dissuasão cibernética” projetada para “moldar o comportamento, negar benefícios e impor custos aos criminosos cibernéticos”.

O primeiro exige que os EUA trabalhem com aliados para promover um comportamento responsável no ciberespaço; o segundo, que trabalhe com o setor privado para aumentar a segurança; e o terceiro, que mantenha a capacidade de retaliar contra inimigos no ciberespaço.

O relatório listou seis pilares políticos e 75 recomendações para ajudar os EUA a chegar lá. Isso inclui sugestões para a reforma do governo, incluindo: o estabelecimento de comitês de seleção permanente da Câmara e do Senado sobre segurança cibernética, a criação da figura de Diretor Nacional de Cibersegurança, aprovado pelo Senado, e novos poderes para a Agência de Segurança em Segurança e Infraestrutura (CISA).

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest