EUA e UK acusam Rússia de ataque cibernético à Georgia

Da Redação
23/02/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Nota do Departamento de Estado dos EUA publicada no final da última quinta-feira acusa a Rússia sem meias palavras

Os governos dos EUA e do Reino Unido acusaram a Rússia de lançar um ataque cibernético contra o governo da Geórgia no ano passado. Os ataques foram realizados em 28 de outubro de 2019, e partiram da unidade de inteligência militar GRU da Rússia, de acordo com informações do Departamento de Estado dos EUA e do Centro Nacional de Segurança Cibernética do Reino Unido.

Além de repreenderem a Rússia, tanto os EUA quanto o Reino Unido prometeram apoio à Geórgia. Esta é a nota do Departamento de Estado:

“Em 28 de outubro de 2019, o Centro Principal de Tecnologias Especiais da Direção Geral de Estado-Maior da Rússia (GRU), GTsST, também conhecida como Unidade 74455 e Sandworm, realizou um ataque cibernético disruptivo generalizado contra a Geórgia. O incidente, que afetou diretamente a população da Geórgia, interrompeu as operações de milhares de sites do governo da Geórgia e interrompeu a transmissão de pelo menos duas grandes estações de televisão. Essa ação contradiz as tentativas da Rússia de afirmar que é um ator responsável no ciberespaço e demonstra um padrão contínuo de operações cibernéticas russas imprudentes contra vários países. Essas operações visam semear divisão, criar insegurança e minar instituições democráticas.

Os Estados Unidos pedem à Rússia que cesse esse comportamento na Geórgia e em outros lugares. A estabilidade do ciberespaço depende do comportamento responsável das nações. Nós, juntamente com a comunidade internacional, continuaremos nossos esforços para manter uma estrutura internacional de comportamento responsável do Estado no ciberespaço.

Também prometemos nosso apoio à Geórgia e seu pessoal no aprimoramento de sua segurança cibernética e no combate a ciber-atores maliciosos. Ofereceremos capacitação e assistência técnica adicionais para ajudar a fortalecer as instituições públicas da Geórgia e melhorar sua capacidade de se proteger desses tipos de atividades”.

O Sandworm esteve ativo na Ucrânia, atingindo empresas de energia em 2015 e 2016, em ataques que deixaram milhares de pessoas sem energia elétrica. O grupo de hackers também foi vinculado ao NotPetya, um worm que se espalhou globalmente em 2017. O grupo também foi responsabilizaido pelo ataque de 2016 à infraestrutura eleitoral dos EUA e pelo roubo de e-mails do Comitê Nacional Democrata (DNC) e sua distribuição ao WikiLeaks. 

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest