matrix-ge2b6eebf9_640.jpg

EUA e Reino Unido acusam chineses de espionagem global 

Países ampliaram a longa lista de alegações contra o governo central chinês, alegando que Pequim é responsável por violar o órgão de fiscalização eleitoral do Reino Unido. Os países também emitiram uma série de acusações criminais e sanções contra o grupo chinês APT31
Da Redação
26/03/2024

Autoridades dos Estados Unidos e do Reino Unido divulgaram uma lista com várias acusações criminais e aplicaram sanções contra o grupo de hackers chinês APT31, que teria realizado uma série de ciberataques a milhares de empresas, políticos e críticos à China. O grupo, apoiado pelo governo da China, é acusado de ter roubado verdadeiros tesouros confidenciais de empresas, relatórios de inteligência e informações pessoais de milhões de pessoas. 

Nesta segunda-feira, 25, as autoridades dos EUA e do Reino Unido ampliaram a longa lista de alegações contra o governo central chinês, alegando que Pequim é responsável por violar o órgão de fiscalização eleitoral do Reino Unido e acessar dados de 40 milhões de pessoas. Os países também emitiram uma série de acusações criminais e sanções contra o grupo chinês APT31, após uma onda de ataques que durou vários anos.

Em agosto do ano passado, a Comissão Eleitoral do Reino Unido revelou que “atores hostis” se infiltraram nos seus sistemas e poderiam potencialmente acessar dados sensíveis durante 14 meses, até serem expulsos em outubro. O vice-primeiro-ministro, Oliver Dowden, disse aos legisladores que um operador de ameaças apoiado pelo Estado chinês foi responsável pelo ataque. Além disso, ele disse que os serviços de inteligência do Reino Unido determinaram que o grupo de hackers teve como alvo contas de e-mail de políticos em 2021.

Paralelamente ao anúncio do Reino Unido na segunda-feira, o Departamento de Justiça (DoJ) dos EUA e o Gabinete de Controle de Ativos Estrangeiros do Departamento do Tesouro divulgaram novas ações contra o grupo APT31, também conhecido como Violet Typhoon, Bronze Vinewood e Judgment Panda. O DoJ também acusa sete cidadãos chineses de conspiração para cometer invasões a computadores e fraude eletrônica.

O Departamento de Justiça afirma que o grupo de hackers está ligado à agência de espionagem do Ministério da Segurança do Estado (MSS) da China e passou 14 anos visando milhares de infraestruturas críticas, empresas e entidades políticas em todo o mundo em campanhas de espionagem generalizadas. Isso inclui se passar por jornalistas para enviar mais de 10 mil e-mails maliciosos que rastrearam destinatários, comprometendo contas de e-mail, contas de armazenamento em nuvem, registros de chamadas telefônicas, roteadores domésticos e muito mais. Os cônjuges de um alto funcionário da Casa Branca e de vários senadores dos EUA também foram alvo, afirma o DoJ.

“Essas alegações levantam a cortina sobre a vasta operação ilegal de hackers da China que teve como alvo dados confidenciais de parlamentares e funcionários do governo dos EUA, jornalistas e acadêmicos; informações valiosas de empresas americanas; e dissidentes políticos na América e no exterior”, disse Breon Peace, procurador dos EUA do Distrito Leste de Nova York, em um comunicado. “Seu esquema sinistro vitimou milhares de pessoas e entidades em todo o mundo e durou mais de uma década.”

Veja isso
Tesouro dos EUA aplica sanções à Intellexa e a entidades associadas
Laboratório nuclear dos EUA teve dados roubados de 45 mil pessoas

As medidas ocorrem num momento em que os países alertam cada vez mais para um aumento da espionagem ligada à China, durante um ano em que mais de 100 países irão realizar eleições importantes. As declarações dos funcionários se concentram no impacto dessas atividades nos processos democráticos, incluindo a espionagem a parlamentares eleitos em todo o mundo e o monitoramento de ativistas e legisladores pró-democracia em Hong Kong. As revelações também coincidem com as discussões entre políticos ocidentais sobre posições pró ou anti-China, inclusive sobre a proposta de venda do TikTok a uma empresa norte-americana, o que pode resultar na proibição da rede social nos EUA se a venda não for concretizada.

Após a divulgação das acusações, Lin Jian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, alegou que se tratava de “desinformação” e disse aos repórteres que o país “se opõe a sanções ilegais e unilaterais”. “Ao investigar e determinar a natureza dos casos cibernéticos, é necessário ter provas adequadas e objetivas, em vez de difamar outros países quando os fatos não existem, e muito menos politizar as questões de segurança cibernética”, disse Jian, em uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira.

Para acessar o relatório completo do Departamento de Justiça dos EUA (em inglês) sobre as acusações criminais e as sanções aplicadas ao grupo de hackers chinês APT31clique aquiCom agências de notícias internacionais.

Compartilhar:

Últimas Notícias