Estudo indica necessidade de reforços em segurança da informação

Paulo Brito
29/10/2013
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Um estudo realizado em 2012 pela empresa inglesa de tecnologia da informação BT (British Telecommunications) apontou que a maior parte dos gerentes de TI reconhece que suas estratégias de segurança precisam mudar.

A pesquisa foi feita com mais de 2 mil entrevistados em 11 países, entre eles o Brasil, focando em organizações com mais de 1.000 funcionários. Algumas áreas receberam destaque, dentre elas Finanças, Logística, Farmacêutica e Governo. Mais da metade dos entrevistados consideraram como temas desafiadores: a segurança dos sistemas em sua cadeia de fornecimento, a prevenção de vazamentos de dados por funcionários, o aumento do uso de dispositivos móveis pessoais bem como o uso de mídias sociais, além da prevenção ou correção de vulnerabilidades.

Por outro lado, foram indicadas algumas medidas importantes para reforçar a adoção da cibersegurança pelas empresas. 68% dos entrevistados reconheceram que as empresas que representam precisam adotar controles mais rígidos relacionados à cibersegurança, além de prevenir o vazamento de informações pelos seus funcionários. Um dado curioso é que 53% dos executivos entrevistados demonstraram preocupações com espionagem.

Para Sergio Ricupero, especialista em Segurança da Informação da Módulo, empresa referência no segmento, o ponto de partida de toda a empresa que deseja reforçar sua segurança cibernética é investir no conhecimento. “Conhecer a realidade dos riscos na sociedade digital é fator preponderante para que possamos reagir a eles. Mudanças de comportamento, agregação de tecnologias ou outras medidas de segurança passam por uma primeira etapa que poderíamos resumir como conhecer seus verdadeiros riscos. Após esta etapa, a canalização de esforços visando mitigar estes riscos é uma questão de tempo. Estas ações levarão a empresa a avançar para um patamar mais adequado em relação à segurança cibernética”, aponta Ricupero.

A pesquisa aponta ainda três fatores mais importantes em uma solução de cibersegurança: eficiência do monitoramento e velocidade de resposta, resistência ou resiliência da empresa contra ataques e capacidade de aperfeiçoar e customizar soluções. Ricupero avalia que os riscos para as empresas surgem muito mais rapidamente do que a capacidade de reação. “Quando falamos sobre ameaças neste contexto, um ponto muito importante a ser discutido está relacionado à modelagem das ameaças que a organização está exposta. A proteção no mundo digital precisa ter uma visão de qual o perfil do agente de ameaça. Contra quem precisamos nos defender? A resposta a esta pergunta direciona a linha de investimentos que a companhia deve provisionar para a segurança cibernética”, afirma o especialista.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest