Estamos em ciberguerra. Opinião de 88% de executivos

Da Redação
17/03/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Numa pesquisa com 485 executivos de cibersegurança, 90% dizem estar preocupados com o futuro da infraestrutura digital devido ao aumento dos ataques cibernéticos

Uma pesquisa da empresa de segurança Venafi revelou que 88% dos executivos da área de segurança da informação acreditam que o mundo está em um estado de guerra cibernética. As conclusões da pesquisa, com base nas respostas de 485 executivos, descobriram eles estão muito preocupados com o futuro da infraestrutura digital devido ao aumento dos ataques cibernéticos.

Segundo o relatório da pesquisa, as organizações que estão passando pela transformação digital são as mais vulneráveis:​ quase 60% dos entrevistados disseram que os setores de energia, água, saúde e transporte também são vulneráveis ​​a ataques cibernéticos, com 19% acreditando que o setor de energia era mais vulnerável, seguido por saúde (12%) e transporte e água (5% ). A Venafi se especializiou em serviços de proteção de identidade de máquina, para garantir conexões e comunicações máquina-a-máquina, visibilidade das identidades delas, sejam móveis, virtuais, nuvem ou IoT.

Kevin Bocek, vice-presidente de estratégia de segurança e inteligência de ameaças de Venafi, alerta para o fato de que “os ataques cibernéticos mais sofisticados, que são a marca registrada dos ataques dos Estados-nação, geralmente visam chaves e certificados digitais que servem como identidades de máquina. Esses ativos críticos de segurança geralmente são mal protegidos e fornecem aos invasores a capacidade de se esconder no tráfego criptografado, circular pelas redes e espionar dados confidenciais. Qualquer organização que não esteja protegendo as identidades das máquinas corre o risco de se tornar vítima de um ataque cibernético. E, infelizmente, é improvável que esses riscos mudem no curto prazo, porque a maioria das organizações só agora está começando a entender esses riscos”.

Uma pesquisa semelhante realizada pela empresa de segurança em nuvem Morphean, que entrevistou mais de mil executivos de TI na Europa, revelou que os sistemas de segurança física não são otimizados. De acordo com a pesquisa, 77% dos gerentes de TI disseram que a segurança física não é otimizada e 20% identificaram a segurança física como uma prioridade para melhoria em 2020. Outros 50% afirmaram estar usando a vigilância por vídeo (soluções VSaaS) ou controle de acesso (ACaaS) baseadas em nuvem.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest