Cloud-computing.jpg

Empresas brasileiras migram mais dados para nuvem apesar das ameaças

Relatório da Thales revela que 47% dos dados das empresas já estão na nuvem e cerca da metade delas já passou por uma violação em 2019
Da Redação
10/09/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Relatório de Ameaças de Dados 2020 da Thales aponta que aproximadamente metade (47%) de todos os dados das empresas brasileiras já está armazenada em ambientes de nuvem e cerca da metade delas já passou por uma violação no ano passado.

Apesar de as organizações da América Latina — as do Brasil incluídas — estarem transferindo mais dados para a nuvem, a região ainda está atrás das outras partes do mundo quando se trata de transformação digital. Pesquisa realizada pela IDC revela que apenas um terço (26%) dos executivos de TI entrevistados disse estar promovendo mudanças disruptivas nos mercados em que atua ou incorporando recursos digitais que dão mais agilidade ao negócio, na comparação com 43% dos executivos globalmente.

A despeito desse cenário, estima-se que a transformação digital se acelere na América Latina, desempenhando um papel fundamental ao ajudar as empresas a se ajustarem ao ambiente de trabalho atual, bem como a se prepararem para a recuperação comercial pós-covid-19.

Para elaboração do relatório, edição da América Latina, foram ouvidos 100 executivos de TI do Brasil, e 100 no México.

Multinuvem: o novo normal, mas pode trazer riscos

O estudo revela que as empresas brasileiras estão próximas de um ponto decisivo do uso da nuvem. Embora metade (47%) de todos os dados já seja armazenada nesses ambientes, sendo 47% desse total considerados confidenciais, pouco mais da metade desses conteúdos (53%), no entanto, está protegida por criptografia; e um volume menor ainda (41%), por tokenização.

Em que pese o fato de 45% dos entrevistados terem indicado que sua empresa já sofreu alguma violação, todos disseram que a segurança de dados representa uma parte muito pequena (em média, apenas 15%) do orçamento geral de segurança de TI — o mais baixo de qualquer região estudada.

Entre as soluções tecnológicas para armazenamento na nuvem, 80% usam dois ou mais provedores de Plataforma como Serviço (PaaS), 74%; dois ou mais provedores de Infraestrutura como Serviço (IaaS); e 84%, mais de 11 provedores de Software como Serviço (SaaS).

Veja isso
Vulnerabilidades na nuvem devem crescer em ‘velocidade e escala’
Mercado de segurança em nuvem cresce a 25% ao ano até 2027

A IDC avalia que a adoção da nuvem deve aumentar à medida que as empresas brasileiras continuam se apressando para proteger a força de trabalho remota. Na verdade, a consultoria aponta que 42% das companhias esperam que a demanda por investimentos em tecnologia de segurança de dados aumente em decorrência da covid-19.

Prioridades em termos de complexidade e compliance

Com a migração de dados cada vez maior para ambientes multinuvem, as arquiteturas de dados ficam mais complexas — o que é a principal barreira para a implantação de sistemas de segurança para 44% dos entrevistados no Brasil.

Embora menos de um quarto (20%) dos entrevistados tenha sido reprovado em uma auditoria de compliance neste ano, a pesquisa também revela que há maior interesse na segurança de dados devido às regulamentações de privacidade de dados, como a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Ameaças à vista: Computação quântica

Nos próximos cinco anos, quase três quartos das empresas brasileiras (74%) preveem que a computação quântica afetará suas operações criptográficas e 87% acreditam que ela exporá dados confidenciais. Um cenário que reforça a necessidade de melhorar a força da criptografia pós-quântica.

Como melhorar a segurança dos dados

As empresas brasileiras enfrentam desafios cada vez maiores e mais complexos de segurança de dados como parte da implementação de suas estratégias de transformação digital e de uso da nuvem, especialmente em razão da realidade atual, decorrente da covid-19. Com no estudo deste ano, o IDC recomenda as seguintes estratégias principais para profissionais de segurança na região:

∎ Use criptografia para permanecer atento contra a realidade de riscos dos dados pós-covid-19

∎ Invista em ferramentas de segurança de dados modernas, híbridas e baseadas em multinuvem que façam o modelo de responsabilidade compartilhada funcionar.

∎ Considere um modelo de confiança zero para proteger os dados.

∎ Aumente o foco nas soluções de descoberta de dados e centralização do gerenciamento de chaves para fortalecer a segurança dos dados.

∎ O impacto da computação quântica na criptografia não está longe.

∎ Concentre-se nos vetores de ameaças certos.

“Conforme as empresas latino-americanas transferem mais dados para a nuvem e adotam tecnologias como a internet das coisas (IoT), celular e blockchain, a prioridade deve ser a proteção de dados confidenciais com uma mentalidade de confiança zero. É essencial que elas saibam onde os dados estão armazenados, os classifiquem e adotem tecnologias de criptografia, tokenização e gerenciamento de acesso, assim como uma sólida estratégia de gerenciamento de chaves multinuvem”, recomenda Roman Baudrit, vice-presidente de vendas na América Latina para atividade de licenciamento e proteção na nuvem da Thales.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest