banner senha segura
senhasegura
inteligência artificial em cyber

Empresa de IA da Intel invadida e congelada por ransomware

Pay2Key atingiu a Habana Labs, de Israel, que a Intel comprou em 2019 por US$ 2 bilhões e desenvolve processadores de IA
Paulo Brito
13/12/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A fabricante de chips de inteligência artificial Havana Labs, sediada em Israel e que é controlada pela Intel, foi atacada hoje, dia 13, pelo ransomware Pay2Key. Pelos dados publicados pelos cibercriminosos em seu site, há muitas informações sensíveis prestes a serem despejadas na dark web. Os cibercriminosos publicaram um diretório chamado “DomainController”, outro chamado “Gerrit” e um arquivo de texto chamado Readme.txt com a mensagem abaixo:

Imagem: CISO Advisor

Aparentemente houve uma profunda intrusão na rede da empresa. Gerrit, por exemplo é possivelmente o nome de um servidor onde há exatamente 580.420 arquivos, somando 53.197.051.484 bytes. Existe a possibilidade, segundo o portal israelense Calcalist, de que tenham sido exfiltrados dados confidenciais relacionados ao Gaudi, o mais novo processador de AI da Habana Labs. O jornal cita também a possibilidade de que a invasão atinja alguma rede da Intel. Também no Twitter os criminosos publicaram imagens indicando que invadiram a rede da empresa.

Veja isso
IBM investe em lab de inteligência artificial
Caos em porto iraniano foi ataque de Israel, diz jornal

A atual operação da Habana Labs é desenvolver processadores de IA que aceleram o processamento de cargas de trabalho de inteligência artificial em datacenters. A Intel adquiriu a Habana Labs por US$ 2 bilhões em dezembro de 2019, alguns meses depois que ela anunciou seu novo chip de treinamento, Gaudi, que alcançou desempenho recorde com base nos padrões da indústria, para permitir escalonamento ao processar modelos de IA muito grandes. O Habana Labs foi a segunda maior aquisição da Intel em Israel, após a aquisição da Mobileye em 2017 por US $ 15,3 bilhões.

O Pay2Key atacou muitas empresas israelenses no início de novembro, segundo a Check Point Software. No caso atual não parece haver cobrança de resgate, apenas a ameaça de despejo das informações. A mídia israelense acredita que os hackers por trás desse ransomware podem ser iranianos.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório