3234704030_54ca392bef_k-2.jpg

Em telefonema, Biden avisa Putin que EUA investigam violação da SolarWinds

Aviso se deve ao fato de funcionários de inteligência e empresas privadas de segurança cibernética apontarem a Rússia como culpada pelo hack
Da Redação
28/01/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Em seu primeiro telefonema oficial ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, na terça-feira, 26, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, tratou de temas espinhosos para o mandatário russo, como o ataque cibernético massivo no ano passado que teve como alvo várias agências governamentais dos EUA e empresas privadas.

Biden também disse a Putin que seu governo está investigando a violação da SolarWinds. Funcionários de inteligência americana e empresas privadas de segurança cibernética apontaram a Rússia como culpada pelo hack. Ele também comentou sobre notícia veiculada pela imprensa de que a Rússia ofereceu recompensas ao Taleban para matar tropas americanas no Afeganistão. O presidente americano disse que os EUA estão dispostos a se defender e tomarão medidas, que podem incluir novas sanções, para garantir que Moscou não aja impunemente, segundo funcionários do governo.

Veja isso
Joe Biden monta equipe de segurança cibernética com ‘nomes estelares’
Biden propõe alocar US$ 10 bilhões para fortalecer ciberdefesa

Biden procurou estabelecer uma ruptura brusca com a retórica calorosa frequentemente exibida em relação a Putin por seu antecessor, Donald Trump. Mas o novo presidente também procurou preservar espaço para a diplomacia, dizendo ao líder russo que as duas nações deveriam finalizar uma extensão de cinco anos de um tratado de controle de armas antes que expire no início do próximo mês, de acordo com as autoridades familiarizadas com o assunto disseram à imprensa internacional.

Ao contrário de seus antecessores, Biden não tem esperança de um “reinício” nas relações com a Rússia, mas indicou que quer administrar as diferenças com o ex-inimigo da Guerra Fria sem necessariamente resolvê-las ou melhorar os laços. Com uma agenda doméstica pesada e decisões iminentes sobre o Irã e a China, um confronto direto com a Rússia não é algo que ele busca. Com agências de notícias internacionais.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório