Crypto AG era da CIA e inteligência suíça sabia disso há 30 anos

Conclusão faz parte do relatório de 65 páginas da Delegação de Comissões de Gestão (DélCdG), formada por membros do parlamento suíço
Da Redação
14/11/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A CIA e a inteligência alemã prejudicaram a reputação da Suíça como um estado historicamente neutro: durante décadas as duas organizações usaram a empresa suíça de criptografia Crypto AG como plataforma para operações de espionagem em todo o mundo. Essa conclusão faz parte do relatório de 65 páginas (versão para download em francês) da Delegação de Comissões de Gestão (DélCdG), formada por membros do parlamento suíço para investigar o assunto, e publicado terça-feira passada, dia 10 de novembro de 2020.

Veja isso
CIA controlou fornecedor de criptografia até 2018
Grupo de espionagem mira organismos militares do Leste Europeu

O relatório de inspeção do DélCdG diz que a inteligência suíça, o Strategic Intelligence Service (SRS), organização anterior ao Confederation’s Intelligence Service (SRC), sabia desde 1993 que os serviços de inteligência estrangeiros estavam por trás da empresa Crypto AG: “Em uma segunda fase, ocorreu a colaboração de inteligência, a critério da delegação. Se o arcabouço legal permitia que o serviço de inteligência suíço e os serviços de inteligência estrangeiros usassem em conjunto uma empresa localizada na Suíça para buscar informações sobre estrangeiros, tal colaboração teve um grande significado político, razão pela qual a DélCdG considera ser lamentável que os políticos suíços não tenham sido informados até o final de 2019. O fato de essa colaboração ter ficado tanto tempo oculta do Conselho Federal também evidencia lacunas na gestão e fiscalização por ele exercidas. Portanto, o Conselho Federal tem parte da responsabilidade pelo fato de a empresa Crypto AG exportar dispositivos de criptografia ‘vulneráveis’ há anos”.

A empresa foi secretamente propriedade da CIA dos EUA por cinquenta anos, vendendo equipamentos com backdoors. Junto com o Serviço Federal de Inteligência da República Federal da Alemanha (Bundesnachrichtendienst, BND), a CIA interceptou por meio desses equipamentos comunicações secretas de governos em todo o mundo durante décadas. 

Essa investigação é o primeiro relatório público de um governo estrangeiro sobre uma operação de espionagem da CIA, tão bem-sucedida que foi chamada de “a aquisição de inteligência do século”.

A Crypto AG, com sede na cidade suíça de Zug, foi um dos maiores fornecedores mundiais de sistemas de criptografia usados ​​por governos estrangeiros para proteger as comunicações de seus oficiais de inteligência, militares e diplomatas. No entanto, desde 1970, a empresa é propriedade da CIA e, além disso, desde o início dos anos 1950, tem cooperado ativamente com a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos. Durante esse tempo, a empresa vendeu sistemas de criptografia vulneráveis ​​para mais de 120 governos, incluindo Irã, América do Sul, Índia, Paquistão e até mesmo o Vaticano.

Com a ajuda de vulnerabilidades de criptografia, os serviços de inteligência americanos e alemães leram a correspondência diplomática não apenas de seus oponentes, mas também de alguns aliados. A operação foi denominada “Rubicon”. De acordo com uma história secreta da CIA obtida pelo The Washington Post, “governos estrangeiros pagaram muito dinheiro aos Estados Unidos e à Alemanha Ocidental para que suas comunicações mais secretas fossem lidas por pelo menos dois (ou mesmo cinco ou seis) Estados estrangeiros”. Muito provavelmente, os dados obtidos dos dispositivos Crypto AG foram trocados pela CIA com os serviços de inteligência do Reino Unido.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório