Ransomware-6-696x418-e1571427618123.jpg

Cresce pagamento de resgate por vítimas de ransomware

Da Redação
01/04/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Cada vez mais, as vítimas de ataques de ransomware estão optando por pagar resgate para recuperar seus arquivos criptografados, fazendo aumentar o volume de ataques

Ransomware-6-696x418-e1571427618123.jpg

Uma pesquisa recente divulgada pela CyberEdge mostra que o número de ataques de ransomware e a porcentagem daqueles que resultam em pagamento vêm aumentando a cada ano, desde 2017. Relatório da empresa, intitulado “CyberEdge 2020 Cyberthreat Defense Report”, afirma que 62% das organizações no mundo foram vítimas de ransomware em 2019, acima dos 56% em 2018 e 55%, em 2017.

“O ransomware está tendendo na direção errada… Novamente”, afirma os autores do relatório. “Esse aumento é provavelmente alimentado pelo aumento dramático dos pagamentos feitos por vítimas de ransomware.”

Em 2017, apenas 39% das empresas atingidas por ransomware pagaram resgate para recuperar seus dados criptografados. Esse número subiu para 45% em 2018, depois aumentou para 58% em 2019.

Para elaborar o relatório anual, a CyberEdge entrevistou 1.200 tomadores de decisão e profissionais de segurança de TI de empresas com mais de 500 funcionários em 19 setores diferentes e em 17 países da América do Norte, Europa, Oriente Médio, África, Ásia-Pacífico e América Latina.

Outra descoberta importante do estudo foi que, no ano passado, pela primeira vez, mais de um terço (35,7%) das organizações sofreu seis ou mais ataques de ransomware bem-sucedidos.

Veja isto
E-mail de phishing usa coronavírus para instalar ransomware
Seguro contra ransomware: é vantagem ter ou não?

Quando questionados sobre a segurança cibernética futura de sua organização, os entrevistados revelaram que estavam percebendo “más vibrações”. “O número de entrevistados que afirma que um ataque bem-sucedido à sua organização é muito provável nos próximos 12 meses atingiu nível recorde”, afirma o relatório.

Dentre os profissionais de segurança de TI pesquisados, 69% acreditam que um ataque bem-sucedido ocorrerá em neste ano. Esse percentual foi de 65% em 2019 e 62%, em 2018.

Quanto às ameaças cibernéticas, os participantes da pesquisa disseram que o malware era o maior problema, seguido de perto pelo phishing e ransomware, que ficou em segundo lugar.

Este ano foi a primeira vez que os entrevistados da CyberEdge foram questionados se estavam preocupados com ataques à marca e reputação nas mídias sociais e na web. Essa nova ameaça está em décimo lugar, junto com ataques watering-hole, mas os autores do relatório preveem que a taxa será maior no próximo ano. Watering-hole é uma estratégia de ataque na qual a vítima pertence a um grupo específico (organização, indústria ou região). O invasor adivinha ou observa quais sites o grupo costuma usar e infecta um ou mais deles com malware.

“Acreditamos que essa categoria [que inclui o sequestro de contas de mídia social, o uso de sites de erro de digitação por fraude e a venda de produtos falsificados online] se tornará mais uma preocupação da comunidade de segurança cibernética”, escreveram eles.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest