banner senha segura
senhasegura
north-korea-1151137_1280.jpg

Coreia do Norte teria atacado a Pfizer para roubar dados de vacina

Agência de inteligência da Coreia do Sul diz ter detectado ciberataque, mas não confirma se algum dado tenha sido roubado
Da Redação
17/02/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A Coréia do Norte lançou recentemente um ciberataque à gigante farmacêutica americana Pfizer, afirma a BBC News. Segundo o serviço de notícias, a Agência Nacional de Inteligência da Coreia do Sul informou os legisladores sobre o suposto ataque cibernético ao laboratório farmacêutico, embora não esteja claro se algum dado foi roubado.

A Pfizer é uma das várias empresas farmacêuticas que desenvolveram e receberam aprovação de uma vacina para proteger contra o novo coronavírus nos últimos meses. No entanto, o desenvolvimento e a distribuição de vacinas têm sido amplamente visados ​​por hackers ligados a Estados-nação para roubar informações ou desestabilizar programas de vacinas.

Em novembro, a Microsoft revelou que três grupos de ameaças patrocinados pela Rússia e a Coréia do Norte têm como alvo sete empresas que desenvolvem vacinas e tratamentos contra a covid-19. Além disso, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) sofreu recentemente um ciberataque, após o qual vários documentos “relacionados a medicamentos e vacinas contra a covid-19 pertencentes a terceiros” foram divulgados online.

Veja isso
Hackers vazam dados roubados da vacina contra covid-19 da Pfizer
Relatório diz que Pfizer expôs dados de usuários de medicamentos

O último incidente destaca as ameaças constantes enfrentadas em toda a cadeia de fornecimento de vacinas à medida que os países correm para vacinar suas populações.

“Vacina contra covid-19 é atualmente um dos ativos mais desejados do planeta, por isso não surpreende que seja considerada um alvo de ciberataque”, disse George Daglas, diretor de operações da Obrela Security Industries, àInfosecurity. “As empresas farmacêuticas devem tomar as medidas necessárias para proteger não apenas sua propriedade intelectual, mas, mais importante ainda, a segurança da produção de vacinas e sua cadeia de abastecimento, impondo controles de segurança física e cibernética rigorosos em cada etapa do ciclo de vida de abastecimento e produção”, completou.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório